Alvaro Dias diz que PEC 33 é 'estapafúrdia' e não vai prosperar

Postado por: Editor NJ \ 26 de abril de 2013 \ 1 comentários

Segundo o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), a PEC 33/2011, que dá ao Congresso Nacional o poder de referendar súmulas vinculantes e ADI (Ações Diretas de Inconstitucionalidade), emitidas pelo STF (Supremo Tribunal Federal), é “estapafúrdia e não tem chance de prosperar".

A matéria já foi aprovada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, mas o presidente da Casa, Henrique Alves, pediu melhor avaliação da proposta, antes de dar continuidade à sua tramitação.

Temendo o avanço da matéria, o PSDB apresentou, na quinta-feira (25/4), mandato de segurança para interromper o encaminhamento da PEC, mas, para Alvaro Dias, a medida é desnecessária. Ele considera que a proposta será derrubada pelos próprios parlamentares.

"Nós temos condições de destruir isso no próprio Congresso. Essa proposta é tão estapafúrdia que não tem chance de prosperar. É um afronta à Constituição, é absurdamente inconstitucional. Trata-se de uma provocação ridícula", disse o senador.

Questionado sobre críticas feitas por vários parlamentares de que o STF tem invadido competências do Legislativo, Alvaro Dias responsabilizou o próprio Parlamento pela situação: "Nós é que damos motivo para que o Supremo seja visto como invasor de competências. Não há razão nenhuma para que o Congresso, a toda hora, recorra ao Supremo Tribunal Federal. Depois do fato consumado, quando a proposta aprovada é flagrantemente inconstitucional, aí sim nos cabe ingressar com ação direta de inconstitucionalidade. Mas enquanto tivermos poder para barrar propostas inconstitucionais, como esta [PEC 33/11], não temos motivo para recorrer ao STF.

Já o PLC 14/2013, que impede que parlamentares, ao ingressar em um novo partido, levem o tempo de rádio e TV e a participação proporcional no fundo partidário, Alvaro Dias acredita que pode ser aprovado.

Na avaliação do tucano, a liminar do ministro Gilmar Mendes, que suspendeu a tramitação do texto, apenas retardou o exame do projeto. Ele acredita que o Plenário do Supremo não acompanhará Gilmar Mendes.

"Neste caso, o Plenário do Supremo vai dizer que o Poder Legislativo tem vida própria e deve tocar sua vida. Tenho a impressão que essa é que será a conclusão, de não interferir no processo legislativo", afirmou.

Apesar de ser contrário ao PLC 14/2013, o senador considera que poderá ser aprovado, por ser do interesse do governo.

Fonte: Última Instância

categoria:

Um comentário:

  1. mandaTo de segurança ??? caralho!
    quem foi o quadrupede q escreveu isso ??

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.