Inclinadas, quase caindo...

Postado por: Editor NJ \ 7 de maio de 2013 \ 3 comentários

O prestígio de Joaquim Barbosa foi elaborado pelas características identificadas por ele na imprensa do país

A intervenção do ministro Joaquim Barbosa, de franqueza incomum em pronunciamentos internacionais, durante encontro na Costa Rica sobre liberdade de imprensa desvendou uma situação algo extravagante.

O diagnóstico da imprensa brasileira feito pelo palestrante aparenta duas vertentes que, na realidade, têm iguais pontos de partida e de chegada. A primeira delas resume-se bem em poucas frases do pronunciamento:

"O Brasil tem hoje três principais jornais nacionais impressos, todos mais ou menos inclinados para a direita no campo das ideias";

"Eu não seria sincero se concluísse a apresentação sem trazer a público desvantagens que vejo em meu país acerca da informação, da comunicação, da liberdade de expressão e de imprensa: o problema está, basicamente, na falta de um pluralismo forte [na imprensa]".

Entremeadas, citações à ausência de "pluralismo" e à "fraca diversidade política e ideológica da imprensa brasileira".

Irretocável.

Curioso, no entanto, é que o fulminante prestígio de que Joaquim Barbosa vê-se munido, também fora do Brasil, foi elaborado exatamente por aquelas características políticas e ideológicas identificadas na imprensa brasileira pela visão crítica do ministro. A contrariedade da "inclinação para a direita", com a vitória sem precedentes de adversários políticos e ideológicos, encontrou no relator Joaquim Barbosa um veio para sua ansiedade de reverter o país à tradição conservadora. A razão e a desrazão, o equilíbrio e o atropelo não importariam mais do que a efetivação do objetivo intermediada por Joaquim Barbosa e nele heroizada.

O próprio convite para falar na reunião da Unesco, portanto, foi fruto do que Joaquim Barbosa lá descreveu como identidade da imprensa brasileira.

O outro componente do diagnóstico, como aparência de fator à parte do anterior, também se acomoda em referências breves:

"No Brasil, negros e mulatos representam 50% a 51% população. Mas não brancos são bem raros nas Redações, telas de televisão, sem mencionar a quase abstenção deles nas posições de controle ou liderança na maioria dos veículos. É quase como se não existissem no mercado das ideias. Raramente são chamados para expressar pontos de vista ou especialidades, salvo nas situações de estereótipos";

"As pessoas são tratadas de modo diferente de acordo com seu status, sua cor de pele e o dinheiro que têm".

Não poderia ser diferente em uma imprensa "inclinada para a direita" e com "fraca diversidade política e ideológica". O conservadorismo político e ideológico é conservadorismo social que é conservadorismo também racial. Aqui, está tudo no mesmo trono. Sem que a raridade de não brancos seja uma peculiaridade da imprensa, e sem que haja nas Redações, em geral, uma predisposição pensada.

Entre as inevitáveis respostas sobre o Judiciário, não muito menos críticas, o ministro mencionou, segundo uma das notícias a respeito, certo dado perturbador: "(...) a Suprema Corte, que tem 60 mil casos aguardando julgamento, casos que afetam a sociedade (...)".

A "imprensa se inclina para a direita" e o Judiciário se inclina para a inutilidade social, pois. O que dá no mesmo, como inclinação.

Por Janio de Freitas

Fonte: www1.folha.uol.com.br

categoria: ,

3 comentários:

  1. Não concordo;
    O Ministro fala por caminho que anda e que andou. Sabe do A ao Z e propõe mudança no sistema. Mudar incomoda partes que precisam sair do espaço para que os que trabalham na mudança passem; esse é o problema, ele esta incomodando muita gente nos tres poderes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo anônimo, mas o Ministro incomoda não apenas indivíduos dos três poderes, Barbosa está incomodando muitos fora destes também, apenas por dizer verdades.

      Excluir
  2. essa é velha. o cara começa a incomodar os poderosos, e começam a preparar sua queda. nesse país nao se pode ir contra os poderosos, ou vc se dá muito mal.

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.