Filhas de ministros do STF disputam altos cargos no Judiciário mesmo sem experiência

Postado por: Editor NJ \ 14 de julho de 2013 \ 28 comentários

Para o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), a advogada Marianna Fux, 32, é "respeitada" e "brilhante".
Na avaliação de Ophir Cavalcante, ex-presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), o currículo da colega Leticia Mello, 37, "impressiona".

A mesma opinião tem o experiente advogado José Roberto Batocchio: "É uma advogada com intensa militância, integra um grande escritório, com ampla atuação no Rio".

Meses atrás, o mais novo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, exaltou as qualidades de Leticia numa carta enviada a desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, com jurisdição no Rio e no Espírito Santo. Em troca, ela prestigiou a posse dele no STF.

As duas advogadas são filhas de ministros do Supremo. Com poucos anos de advocacia, estão em campanha para virar desembargadoras, juízas da segunda instância.

Filha do ministro Luiz Fux, Marianna lidera as apostas para substituir o desembargador Adilson Macabu, que se aposenta no Tribunal de Justiça do Rio nesta semana.

Se for bem sucedida, ela terá um salário de R$ 25,3 mil e regalias como carro oficial e gabinete com assessores.

Filha do ministro Marco Aurélio Mello, Letícia pode conseguir coisa parecida. Ela foi a mais votada numa lista submetida à presidente Dilma Rousseff para o preenchimento de uma vaga no TRF do Rio.

Leticia é mais experiente do que Marianna. Formou-se em 1997 e trabalha num escritório de prestígio. É considerada no meio jurídico uma advogada promissora, mas que dificilmente chegaria tão cedo a uma lista tríplice se o pai não estivesse no STF.

Em entrevista à Folha, Marco Aurélio saiu em defesa da filha: "Se ser novo apresenta algum defeito, o tempo corrige". Ele procurou desembargadores para tratar da indicação da filha, mas nega ter pedido qualquer coisa. "Jamais pedi voto, só telefonei depois que ela os visitou para agradecer a atenção a ela".

No TJ do Rio, há registro de apenas cinco processos em que Leticia atuou. No TRF, onde ela quer ser desembargadora, não há menção. Leticia formou-se no Centro Universitário de Brasília e não tem cursos de pós-graduação.

"Há muitos que têm diversos canudos debaixo do braço e deixam a desejar", diz Marco Aurélio. "É pecado [a indicação]? É justo que nossos filhos tenham que optar por uma vida de monge?"

Leticia e Marianna disputam vagas do chamado quinto constitucional, reservadas a juízes indicados pela OAB.
O ministro Fux foi desembargador do TJ do Rio no início da carreira e conhece quem pode ajudar sua filha. A votação no tribunal deverá ser aberta. Um integrante do TJ diz que isso pode criar constrangimento, se algum ex-colega de Fux quiser se opor à escolha da sua filha.

Marianna formou-se há dez anos pela Universidade Cândido Mendes, no Rio, e seu currículo exibe uma pós-graduação em Teoria das Obrigações e Prática Contratual pela Fundação Getúlio Vargas.

A FGV informou à Folha que não se trata de pós-graduação, mas de um curso de extensão universitária de quatro meses. Marianna atuou em apenas seis processos no TJ do Rio: um sobre extravio de bagagem, os demais sobre espólio e dano moral.

Em abril deste ano, o advogado Sérgio Bermudes, que é amigo de Fux e emprega Marianna, organizou uma festa para comemorar o aniversário do ministro. Os desembargadores do TJ foram convidados, mas Fux cancelou o evento após sofrer críticas.

O presidente da OAB do Rio, Felipe Santa Cruz, diz que ainda não foi aberta a lista para a qual Marianna poderá ser indicada. "Não posso me manifestar sobre algo que não existe ainda", afirmou, sem negar a movimentação a favor da advogada.

Leticia Mello tem dois adversários mais experientes na lista submetida a Dilma: os advogados Luiz Henrique Alochio, 43, e Rosane Thomé, 52.

Eles preferem evitar a polêmica. "Espero que seja escolhido o melhor avaliado do ponto de vista da meritocracia", diz Alochio. "Não tenho grandes expectativas. A nomeação é tão sem critério, aleatória", afirma Rosane, que tem 30 anos de advocacia.

Procurada, Leticia disse que não se manifestaria sobre o assunto. Marianna e seu pai não responderam aos pedidos de entrevista da Folha.

Fonte: Folha de S. Paulo

categoria:

28 comentários:

  1. SERÁ QUE NÃO TEM ADVOGADO COM MAIS EXPERIÊNCIA PARA TAIS INDICAÇÕES???? FICA CHATO NO MEIO DE TUDO ISSO DUAS FILHAS DE MINISTROS DA SUPREMA CORTE.... SE PELO MENOS FOSSE UMA PRAXE ESSA IDADE E FALTA DE EXPERIÊNCIA, PODERÍAMOS ENTENDER....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESSE É O EXEMPLO DESSES MINISTROS INESCRUPULOSOS, QUE NÃO OUVEM AS VOZES DAS RUAS E TEIMAM EM SEMPRE TIRAR VANTANGENS DA COISA PUBLICA.




      Excluir
    2. são ministros inescrupulosos, que teimam em não escutar as vozes das ruas

      Excluir
  2. é absurdo, mas é o que esta na constituição né :/

    ResponderExcluir
  3. Polêmica frustrante!...Mais uma bandalheira onde jamais poderia existir! ..É com essa gente que nossos filhos têm que competir!...Assim caminha nosso Brasil!...

    ResponderExcluir
  4. VOSSAS FILHAS NÃO PRECISAM TER VIDA DE MONGE, MAS TBM NÃO DEVE SUBIR COMO ROJÃO....É IMORAL, ILEGAL, NADA ETICO. PODERIAM TRABALHAR POR 2 ANOS SERVINDO COMUNIDADES CARENTES/PRESIDIOS...ETC....ASSIM COMO ESTÃO EXIGINDO AOS MEDICOS. MAS NAO VOU ME DECEPCIONAR SE FOREM NOMEADAS.....NAO SE ESPERA NADA DESTE JUDICIÁRIO / EXECUTIVO / LEGISLATIVO.....NADA, NADA MESMO.

    ResponderExcluir
  5. Está certo que os pais babem por seus filhos - lembra do ex-presidente referindo-se ao Lulinha como 'Fenômeno"? -, mas ensiná-los a conquistar um lugar ao sol por mérito é lição para a vida, não? Com menos de meia dúzia de causas cada, e procurando por bagagem perdida... tem dó!

    ResponderExcluir
  6. Aí fica fácil né??

    ResponderExcluir
  7. http://concurseirosonlines.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Política brasileira é uma merda.

    ResponderExcluir
  9. SERÁ QUE ESTAS FILHAS DESTES MINISTROS NÃO COMPRARAM O DIPLMA DE ADVOGADA NÃO, PELO QUE EU SAIBA TD É FACIL PARA POLITICOS

    ResponderExcluir
  10. A culpa é do povo, ñ olha para essas coisas que são de grande importância para o país, por isso "eles" fazem a festa e povo paga a conta. Se o povo parar de discutir sobre futebol, novelas, big brother, essas merdas todas e começar a discutir, debater e falar sobre o que realmente interessa para o bem da nação, aí sim o brasil vai melhorar a passos largos, mas enquanto isso ñ acontece, pagamos as contas desses sem vergonhas que estão no poder. (detalhe eles estão no poder pq o povo os colocou lá) lamentável :(

    ResponderExcluir
  11. boto pra chupa meu pau as duas e ainda como o cú delas !!!!

    ResponderExcluir
  12. enfio o martelo da justiça no rabo das duas!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Por isso é que eu quero sair desse pais, desrespeito total.

    ResponderExcluir
  14. só punindo elas dando um beijo delingua bem fundo no cú delas !!!!

    ResponderExcluir
  15. Vou me candidatar, me formo em 2013...será que consigo?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talves.... quem é seu pai?

      Excluir
  16. Isso sim é motivo de protesto....

    ResponderExcluir
  17. Nossa tem colocar um CARTAZ ENORME com isso na próxima manifestação..

    ResponderExcluir
  18. achei esta matéria constrangedora. Afinal não são os pais que nomeiam as filhas, como no congresso. Devem ser vistas como candidatas e sujeitas às mesmas avaliações dos demais. Qualquer mau juízo implicaria em dizer que os examinadores são velhacos e interessados em contrafavores dos ilustres parentes de candidatos. Tanta coisa importante para ser cobrada e o Estadão perdendo tempo com esta reportagem de terceira linha. Fala sério!

    ResponderExcluir
  19. Esse tipo de apadrinhamento não é novidade quando se trata de Brasil, essa gente sempre esta na dianteira de tudo que envolve o poder público, tudo que é importante eles tomam pra se e não adianta reclamar porque nesse meio só entra quem eles querem, ou seja, o grande nepotismo é quem determina o andar da carruagem...

    ResponderExcluir
  20. Esse tipo de apadrinhamento não é novidade no Brasil, tudo aqui é base dese tipo de jogo sujo, dentro desse balaio ninguém consegue entrar, só eles conseguem por causa do grande nepotismo que existe dentro do judiciário ! elas só são chamadas de brilhantes porque são filhas de gente graúda e influente da justiça, isso é coisa de idiota...

    ResponderExcluir
  21. se fosse através de concurso publico, duvido que passaria na prova... enquanto me preparo para deixar a família e fazer meu doutorado no exterior, uma não tem nem pós, e a outra vez um cursinho de extensão... vlw Brasil...

    ResponderExcluir
  22. E o outro ainda diz que o currículo delas impressiona. realmente, fiquei impressionado pela falta de capacitação...

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.