Analista judiciário passa em concurso para juíza, mas prefere ficar onde está

Postado por: Editor NJ \ 19 de setembro de 2013 \ 18 comentários

Causou perplexidade no meio jurídico a escolha feita por Cecília de Moura Barbosa Lima. Ela ocupava o cargo de analista judiciário no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e passou em um concurso para juíza de direito no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG).

Virar juíza lhe deu hierarquia e vencimentos superiores a de uma analista, além de possibilidades de crescimento dentro das instâncias jurídicas. Em 05 de abril deste ano Cecília tomou posse como juíza no TJ-MG, em Belo Horizonte, junto com outros 95 novos juízes. Antes, no mesmo dia, ela deixou o cargo de analista judiciário na cidade mineira de Carmo da Mata.

No dia 08 de abril a juíza Cecília de Moura foi designada para a Comarca de Turmalina, no norte de Minas Gerais. Surpreendentemente, menos de 2 meses depois, no dia 20 de junho, ela desistiu da magistratura, sonho de milhares de estudantes de direito em todo o país, e solicitou sua recondução ao cargo de analista judiciário, abrindo mão da concorrida vaga de juíza obtida em concurso.

Pode até ter pesado em sua decisão a distância, já que Turmalina fica a mais de 7 horas de carro de Carmo da Mata. Mas, decisões como esta mostram que o cargo de juiz já não atrai como antes. No custo e benefício, computados salários, benefícios, carga e volume de trabalho, responsabilidade e tempo dedicado, a magistratura muitas vezes vem perdendo para várias carreiras jurídicas.

Por Christiano Abreu Barbosa
Fonte: www.fmanha.com.br

categoria:

18 comentários:

  1. Não faz sentido assumir um cargo tão atarefado e responsável e que muitas vezes é o fim da vida social.

    ResponderExcluir
  2. Não reclame dos médicos depois disso!
    kkkkk

    ResponderExcluir
  3. As pessoas só pensam nos prós de ser juiz, devido ao status talvez, mas não pensam nos contras.. Acho que, se foi a vontade dela, tá mais que certa... Talvez seja melhor ganhar menos e ter tempo de gastar o pouco do que ter muito e não ter vida social...

    ResponderExcluir
  4. Mulher muito corajosa e segura do que realmente lhe é importante na vida, teve a opção de escolher e o fez, parabens!!!

    ResponderExcluir
  5. Doidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! É isso que ela é!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Sempre comento sobre carreira policial com meus amigos, colegas e conhecidos: Sonho em ser policial federal, já o cargo de delegado federal não me atrai, acredito que essa mulher pensa da mesma forma que eu!

    ResponderExcluir
  8. Fez e muito bem, nem sempre o estatus esta em primeiro lugar, nem sempre quem tem mais estatus é o melhor cargo. Preferência para a vida social. Que um Juiz no Brasil não pode ter...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O certo é STATUS! Pelo amor de Deus!

      Excluir
  9. Questão de opção, ela com certeza SABE MUITO BEM O QUE ESTÁ FAZENDO!

    ResponderExcluir
  10. Fez o que achava certo, ser juiz é grande coisa ou coisa grande, mas é muito trabalho, noites em claros, fora os risco de se vender por altos valores, por que uma coisa é certa funcionário publico não fica rico e nesse pais os funcionários públicos ricos sempre estão envolvidos em esquemas, eu faria o mesmo logo pra mim o cargo de analista ja esta de bom tamanho e satisfatório, quero me aposentar no tempo certo e não sair na compulsória que é o caso de muitos juízes fazem pra não perderem seus altos salários e sua prerrogativas.

    ResponderExcluir
  11. Fala sério! Quem tá aí comentando dizendo que faria a mesma coisa é mentira! E sabem que nunca terão a capacidade de passar em um concurso pra juiz e por isso tentam disfarçar essa insatisfação tentando acreditar que é melhor ser um analista jurídico do que juiz!

    ResponderExcluir
  12. Nem só de dinheiro vive o ser humano, estão duvidando ?
    Estudem, passem e se mudem de estado por causa de aprovação em concurso público, durantes os primeiros meses, na emoção da posse do cargo ninguem se importa com nada, mas depois, o bixo pega!!
    Certissima ela , apoio total !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, plenamente. Sou Analista Judiciário e penso em voltar mesmo em um cargo de TJ, ou concurso municipal para a minha cidade.

      Excluir
  13. Passei em um concurso pra outro Estado há 10 anos, no começo era bom e tudo era novidade, mas o tempo é cruel. A perda da qualidade de vida e a falta da família, nos faz entrar em depressão. Consegui transferência para divisa entre os Estados, mas mesmo assim é difícil. Só quem passou por isso é que sabe. Portanto, quem não passou e não teve coragem pra sair do seio da família, não tem competência para sequer opinar, muito menos criticar. Se a Cecília esta feliz com o que tem, então ela fez a coisa certa.A felicidade dela é o que importa!

    ResponderExcluir
  14. A resposta é simples .. No TRE-MG se trabalha de 2 em 2 anos... Isso quando se trabalha...

    ResponderExcluir
  15. Muitas vezes mais vale ter qualidade de vida e privacidade do que salário alto e publicidade.

    Marcos Paulo - Advogado

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.