Advogada se explica a juiz após chamá-lo de meio doido em petição

Postado por: Editor NJ \ 9 de outubro de 2013 \ 26 comentários


"Verificar certinho se põe esse parágrafo, porque aquele juiz é meio doido". Esta frase encontra-se em petição encaminhada ao 2º JEC de Goiânia/GO. Diante da ressalva, o juiz de Direito substituto Gustavo Assis Garcia pediu que a causídica explicasse, em um prazo de 48 horas, a quem se refere e o que pretende dizer com a frase.

Quatro dias após a solicitação do magistrado, a advogada em questão enviou a requerida explicação ao juiz. No texto, a causídica se desculpa pelo ocorrido e explica que a petição foi redigida por um estagiário, que utilizou para isso modelo de documento de outro advogado.

Confira o despacho abaixo:







Quatro dias após a solicitação do magistrado, a advogada em questão enviou a requerida explicação ao juiz. No texto, a causídica se desculpa pelo ocorrido e explica que a petição foi redigida por um estagiário, que utilizou para isso modelo de documento de outro advogado.


__________, procuradora da ______, já devidamente qualificada nos 
presentes autos, promovido por ________ e ________, vem à digna 
presença de V. Exa., esclarecer e retratar pelos fatos a seguir expostos: 
A petição de ocorrência nº 71 protocolada por esta procuradora, foi 
redigida por um estagiário deste escritório, que utilizou como modelo, uma 
petição de outro advogado para elaborar a peça supracitada, tendo em vista 
que estava correndo prazo para manifestação da parte autora. 
Por se tratar de um modelo de peça redigida por outro advogado, não 
tenho conhecimento a qual juiz se refere tal alegação. 
Mas tenho a certeza de que esta menção não é referente a estes autos e 
muito menos este Honroso Juiz, pois se presentes autos vêm tramitando 
de forma célere, digna de elogio pela atuação de V. Exa. nos presentes 
autos. 
Mesmo diante deste arquivo, suplico que aceite minhas 
estimadas considerações de desculpas pelo ocorrido, pois em 
momento algum foi intenção desta em faltar com o respeito a Vossa 
Excelência. 
Contudo, na data que a referida petição foi protocolada, a presente 
procuradora estava em diligência em outra comarca e deixou sua senha 
pessoal do sistema projud para que o referido estagiário protocoliza-se a 
petição. 
Este, pela sua inexperiência e afobação, protocolou a peça 
afoitamente sem a devida análise e correção, excluindo as anotações que 
são impertinentes a estes autos. 
Diante o exposto solicito a V. Exa. desconsidere o referido 
trecho contido na petição retro, por não ser referente a V. Exa., 
aceite as desculpas pela falta de atenção por parte desta 
procuradora, pelo fato ocorrido, bem como as escusas pelo dissabor 
ou aborrecimento sofrido por este nobre magistrado, razão pela 
qual também irei retratar-me pessoalmente com este douto juízo. 

Fonte: Migalhas


categoria: ,

26 comentários:

  1. Um simples: "foi mal" resolveria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acho. A advogada só faltou colocar a cabeça na guilhotina e pedir pra soltar a corda como forma de se desculpar.

      Excluir
  2. "deixou sua senha pessoal do sistema projud para que o referido estagiário protocoliza-se (SIC) a petição."

    Esse erro grosseiro de português teria sido também culpa do coitado do estagiário? hahahaah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde está o referido erro grosseiro de português???

      Excluir
    2. "Protocoliza-se". O correto é "Protocolizasse", pois não é caso de "se protocoliza", mas de protocolar.

      Excluir
  3. sempre o estagiário!

    ResponderExcluir
  4. Sempre sobra para o pobre e mal pago do estagiário.
    .

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkk!!!!!! A advogada chama o juiz de doido! Sobra para o estagiário.

    ResponderExcluir
  6. Antes de redigir as desculpas tinha que fazer aulas de língua portuguesa.

    ResponderExcluir
  7. Se eu fosse o juiz despacharia novamente:

    Intimo a procuradora que identifique nominalmente o estagiário, para que este no prazo de 48 horas ratifique ou refute a culpa atribuída a ele.

    Cumpra-se.

    ResponderExcluir
  8. Não se justifica o que não é devido!!! Foi infeliz ao confiar a peça a outro colega para correção, que não o fez. Mais infeliz, ainda, na sua justificativa!

    ResponderExcluir
  9. so sei que voces todos sao uns troxas de ficar comentando a vida dos outros... vai olhar os xifres que tao levando ai..

    ResponderExcluir
  10. Se Você Fosse o Juiz Não passaria de um Doido e sim de um Bosta , e mais ainda , Viado junto com esse que também é corno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta falta de ética e educação do seu comentário, e não vá colocar a culpa no estagiário.

      Excluir
  11. Isso tá com cheiro de que não foi estagiário nenhum, foi um equivoco da parte dela, que não deve gostar do Juíz.

    ResponderExcluir
  12. ADVOGADA BURRA E INCOMPETENTE, A OAB DEVERIA NO MÍNIMO DAR-LHE UMA SUSPENSÃO POR 36 MESES.

    ResponderExcluir
  13. Bom o estagiário sempre leva a culpa, mais... Quem o ensina? E segundo ao Código de Ética, o advogado é responsável por todos os atos do estagiário. È muito curioso que tem vários advogados, quem tem por costume usar esse tipo de desculpa.

    ResponderExcluir
  14. Agora coloca o rabo entre as pernas e culpa o estagiário. Deveria ser suspensa mesmo!

    ResponderExcluir
  15. ACHO QUE A SITUAÇÃO DESSA ADVOGADA SÓ FEZ PIORAR, POIS REDIGIU UMA PETIÇÃO COM INÚMEROS E DIVERSIFICADOS ERROS DE PORTUGUÊS!

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Ainda que a peça tenha sido produzida pelo estagiário, cabia a Douta colega supervisioná-la. Inapropriada até em sua defesa...a advogada deveria ser suspensa.

    ResponderExcluir
  18. Ei acho que erros acontece, e nao precisa fazer tempestade em um copo d'agua....muito menos suspensao junto a oab. com certeza quem levantou essa situação nao advoga.

    ResponderExcluir
  19. É a celeridade da nossa Justiça!!!! Parabéns pelos comentários!

    ResponderExcluir
  20. Com certeza a própria advogada elaborou a peça e entre um parágrafo e outro, em dúvidas se versaria acerca de um fato, fez uma desnecessária anotação. Antes de protocolizar, a procuradora não verificou o documento integralmente ou simplesmente deu um "passar de olhos", deixando o grave erro passar despercebido. A culpa não foi do estagiário e disso o magistrado sabe com ampla certeza.

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.