Após passar em nove concursos, servidor se prepara para ser juiz do trabalho

Postado por: Editor NJ \ 14 de novembro de 2013 \ 8 comentários

O sonho de ser aprovado em um concurso público parece inatingível para muitos. Mas nunca intimidou o maranhense Dionísio Coelho Costa Neto, que se mudou para Brasília em 2006 com um único propósito: ser servidor federal. Hoje, aos 32 anos ele é exemplo de superação para a família que deixou em São Luís (MA) e é recordista na classificação de concursos. Ele coleciona nove aprovações, três delas em primeiro lugar.  

Há dois anos, Dionísio atua como técnico judiciário desde que foi nomeado para o cargo no TST (Tribunal Superior do Trabalho). Mas para chegar onde está, ele percorreu uma longa jornada que é contada com muito orgulho.

— Eu sou filho de uma família muito grande. Fui criado com seis irmãos e meus pais só podiam me fornecer o básico, comida e moradia. Por isso eu estudei em escola pública a vida inteira e quando terminei o curso técnico de desenhista industrial em São Luís do Maranhão, onde os salários são muito baixos, pensei logo em estudar para um concurso público.

Sozinho, Dionísio começou sua saga pela estabilidade profissional e financeira. Mesmo sem recursos para pagar cursinhos preparatórios, ele se virava como podia para garantir uma apostila aqui ou uma impressão ali. Sem computador e impressora, ele contava com a ajuda dos amigos que tinham internet em casa. As horas vagas eram todas ocupadas com muita leitura e estudo.

A primeira aprovação veio em 2002 para desenhista no município de Barrerinhas no Maranhão. Ele passou em primeiro lugar, mas junto com a felicidade da aprovação veio a frustração de não ser nomeado. Dificuldade que não o fez desanimar.  

Ele tentou de novo e foi aprovado mais uma vez para o concurso da Infraero. E novamente não foi chamado para assumir o cargo. Dionísio lembra que na época não existia a obrigatoriedade de os aprovados em concurso público serem chamados dentro do número de vagas anunciadas no edital. Então ele resolveu arriscar.

— Um primo meu que morava no Entorno do DF e é policial militar, havia me feito o convite de ir morar com ele e tentar algo em Brasília. Eu aceitei a ideia e saí de casa com uma mala com roupas velhas, R$ 50 no bolso e com a passagem paga por amigos. Mesmo muita gente dizendo que eu era louco em arriscar, eu fui em busca de uma vida melhor.

Quando chegou na casa do primo em Santo Antônio do Descoberto (GO), Dionísio ganhou um colchão velho para dormir no chão e uma mesa que era usada para jogar dominó. Nela, o jovem quase subnutrido passava horas estudando de madrugada, após chegar do trabalho que conseguiu no centro de Brasília com o salário de R$ 600.  

Não demorou muito e a primeira recompensa pelo esforço veio com a aprovação para o cargo de técnico de engenharia da Eletronorte (Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A).  Desde então, as coisas começaram a mudar para Dionísio.  

— Agora que eu tinha mais condições, aluguei uma quitinete no Guará e passei a viver mais a cidade. Porque antes eu só trabalhava e estudava. Meus amigos me chamavam de doido porque o tempo que eu tinha livre era dedicado ao estudo. Não tinha tempo para diversão. Então comecei a frequentar cinema, ir a shows, shopping, viver de verdade.

A receita deu certo. No mesmo ano que foi aprovado na Eletronorte, Dionísio começou a faculdade de Comunicação Social e em 2008 foi chamado para assumir o cargo na Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária). O salário aumentou e ele começou a sonhar mais alto. Sonhou tanto que realizou.  

Ele assumiu um cargo na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e em 2011 foi nomeado a técnico judiciário no TST (Tribunal Superior do Trabalho) onde está até hoje. E se engana quem pensa que Dionísio parou de sonhar.

— Hoje, a minha meta é assumir um cargo da alta administração pública. Estou me preparando para ser delegado federal e depois juiz do trabalho. Ano que vem já começo minha faculdade de Direito. Estou novo ainda, tenho certeza que vou chegar lá.

Após conhecer a história de Dionísio Coelho Costa Neto fica difícil achar que ele não vai conseguir. E ele deixa um conselho para quem quer seguir carreira no funcionalismo público.

— Perseverança.  Ou você insiste até conseguir ou desiste e fica no meio do caminho. Você não tem que estudar para passar. Você tem que estudar até passar. E depois que conseguir, faça a diferença. Continue estudando para oferecer um serviço público de boa qualidade, pois você estará fazendo parte da história do seu País.

categoria: , , , ,

8 comentários:

  1. E passou sem cotas, de cabeça erguida sem dever nada a ninguém!!

    ResponderExcluir
  2. Não vejo o projeto das cotas como algo que inferioriza quem consegue aprovação por meio delas. Isso é discurso de quem não quer que o projeto seja aprovado e fica dizendo que o negro tem capacidade de prestar um concurso sem a necessidade das cotas. Sou "branca" e não irei me beneficiar do projeto, mas sou totalmente a favor. 400 anos de escravidão, e por que não dizer que ela ainda não acabou, todo o preconceito implícito e explícito até os dias de hoje, vide o infeliz Danilo Gentili. É preciso que seja feita justiça social nesse país, ainda que essa não seja a melhor forma é preciso que comece de algum modo e urgente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O preconceito é de cada um, e quase não existe no Brasil. O que vc ainda não entende é a vontade do governo em criar preconceitos por raça, sexo, religião... Por tudo. Apoiar qualquer decisão que beneficia poucos é errada, pois todos têm que receber os mesmos benefícios. Não sou preconceituoso e não tenho que pagar por isso. O preconceito é inventado, entenda isso. Abraços.

      Excluir
    2. creio que a cota seja em função da maioria caucasiana, e minoria negra, dificultando a entrada nesses concursos.

      Excluir
    3. Ao Anonimo que respondeu dia 15 de novembro de 2013.

      PRECONCEITO EXISTE SIM!
      esse teu discurso é conversa da Elite que quer mascarar as coisas! sempre existiu preconceito e enquanto ele existir o nosso país não cresce! enquanto existir pessoas como você que ignoram a questão nunca combateremos de frente esse mau!

      se não concorda comigo, leia o texto do juiz federal Exmo Senhor William Douglas: http://www.williamdouglas.com.br/conteudo04.php?id=538

      e passe "um dia na cadeia" pra você entender a importância da Justiça!

      Excluir
  3. São exemplos como esses que me fazem persistir!!

    ResponderExcluir























































  4. olha, tá de parabéns. quero seguir este exemplo.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns a este cara, mas realmente as cotas acabam por excluir os brancos, afinal todo branco é rico ou teve oportunidade na vida?

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.