Gêmeos idênticos

Postado por: EditorNJ \ 25 de maio de 2014 \ 10 comentários

Tendo chegado ao conhecimento de um Delegado (de uma delegacia de homicídios de certa metrópole) a notícia criminal de um homicídio, instaurou-se o devido inquérito policial. Apurou-se, no decorrer do processo de investigação, a existência de uma testemunha que havia presenciado os fatos.

Arguida pelo delegado, a testemunha levou-o ao suspeito. Lá chegando, o delegado deparou-se com um problema grave: o suspeito tinha um irmão gêmeo, idêntico.

Portanto, a testemunha não conseguiu apontar o autor do fato delituoso. Na dúvida, o delegado prendeu os dois irmãos. Após um mês da prisão, ainda sem vislumbrar a autoria do homicídio, um dos dois irmãos engordou quase quinze quilos, enquanto o outro permaneceu com o mesmo peso de quando fora preso. Analisando pormenorizadamente os fatos e os acontecimentos, o delegado chegou a conclusão da autoria: liberou o gêmeo gordo e indiciou o outro.

Pergunta-se:

Qual teria sido o fundamento jurídico usado para a liberação e para o indiciamento?

Resposta:

O que não mata, engorda!

categoria:

10 comentários:

  1. E cade o indubio pro reu? Pricipio constitucional da presunção de inocencia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sério cara? kkkkkkkkk é so uma piada

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkkkkkkk, ficamos bitolados mesmo, não tem como. hahaha

      Excluir
    3. kkkkk vei, pra estragar a piada vc deve se acadêmico pagando de advogado

      Excluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkk principio dolus gordus...

    ResponderExcluir
  3. Princípio gordus roliçus

    ResponderExcluir
  4. FALSIDADE IDEOLÓGICA ALÉM DO HOMICIDIO??

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.