Cônjuge que abandona lar não tem direito a partilha dos bens

Postado por: EditorNJ \ 1 de abril de 2018 \ 4 comentários

Um parceiro que abandona por muito tempo o cônjuge, o lar e os filhos não tem direito à partilha de bens do casal. O imóvel que pertenceu ao casal passa a ser de quem o ocupava, por usucapião.

Assim decidiu a 4ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, ao confirmar sentença de comarca do sul do estado.

No caso julgado, um homem que teve decretado o divórcio no ano de 2000 pediu a divisão do imóvel no qual morava sua ex-mulher. Ele ajuizou a ação de sobrepartilha em 2008, já que foi revel (condição do réu que, citado, não comparece para o oferecimento da defesa) na ação de divórcio, ajuizada pela ex-mulher, de forma que não houve a partilha de bens naquela ocasião. O homem abandonou a mulher há 46 anos.

O argumento de defesa da mulher foi que o imóvel não poderia ser dividido com o ex-marido porque, embora registrado entre eles, há muito ela tinha a posse exclusiva sobre o bem, tendo-o adquirido pela via do usucapião. O relator, desembargador Eládio Torret Rocha, apontou não haver dúvidas de que o homem abandonou o lar, deixando os bens, a esposa e os sete filhos do casal à sua própria sorte.

Jurisprudência

O relator apontou, ainda, que em casos de prolongado abandono do lar por um dos cônjuges a doutrina e a jurisprudência  consolidaram o entendimento de que é possível, para aquele que ficou na posse sobre o imóvel residencial, adquirir-lhe a propriedade plena pela via da usucapião, encerrando-se, excepcionalmente, a aplicação da norma que prevê a não fluência dos prazos prescricionais nas relações entre cônjuges.

"Oportunizar, portanto, a partilha do imóvel, metade por metade, pretendida pelo varão depois de 46 anos de posse exclusiva exercida sobre o bem pela esposa abandonada — tão-só a partir do simples fato de que a titularidade do terreno ainda se encontra registrada em nome de ambos —, afora o sentimento de imoralidade e injustiça que a pretensão exordial encerra em si própria, seria negar por completo os fundamentos sobre os quais se construíram e evoluíram as instituições do Direito de Família e do Direito das Coisas enquanto ciências jurídicas", afirmou Rocha. A decisão foi unânime.

Tal raciocínio interpretativo, aliás, continuou o relator, foi determinante para a promulgação da Lei 12.424/2011, por definir que o cônjuge abandonado, após dois anos de posse com fins de moradia, adquire a propriedade exclusiva do imóvel, em detrimento do direito de propriedade do parceiro que o abandonou. Mas essa lei não foi aplicada por o caso em discussão ser anterior a ela.

Fonte: TJ-SC

categoria: , ,

4 comentários:

  1. Bom dia! Queria que vocês me tirassem uma dúvida tenho um amigo q a ex esposa abandonou o lar tem cinco anos e ele tem tentando até hoje a separação só que a ex não assina porque quer a parte da casa q eles moraram. E certo q ela fique com a metade já q ela q abandonou?

    ResponderExcluir
  2. Marli Claudia Pavan5 de maio de 2018 19:11

    ESTOU PRECISANDO DE AJUDA, POSSO CONTAR COM VOCÊS?

    ResponderExcluir
  3. MEU EX-MARIDO ABANDONOU O LAR LEVANDO MEU FILHO COM ELE COM 18 ANOS, DEPOIS DA NOSSA SEPARAÇÃO CONSENSUAL. ALUGOU UMA CASA CARA E FICARAM 1 ANO LÁ. COMO MEU FILHO HERDOU UMA CASA DE UMA PRIMA MINHA,ELE A VENDEU E COMPROU UM APARTAMENTO E AÍ, OS DOIS FORAM MORAR LÁ. DEPOIS DE UM TEMPO ELE LEVOU UMA MULHER PARA MORAR COM ELES E MEU FILHO NÃO GOSTOU. AÍ O EX. ALUGOU UMA CASA PARA ELE E A MULHER MORAREM JUNTOS. ELA LUTOU PARA QUE O DIVÓRCIO FOSSE CONSUMADO E FOI O QUE ACONTECEU. ELE SE ENDIVIDOU TANTO QUE A NOSSA CASA PRÓPRIA, FOI PENHORADA POR UM BANCO, POIS CASAMOS COM UNIÃO DE BENS. ELE NÃO PARTICIPA DE NADA, NEM O IPTU ELE PAGA E OUTRAS TANTAS COISAS A MAIS. VALE ESCLARECER QUE SOU PROFESSORA E ATUALMENTE ESTOU APOSENTADA E NUNCA PRECISEI DO DINHEIRO DELE, NÃO PEDI PENSÃO NEM PARA MIM, NEM PARA MEU FILHO, PORTANTO ARCO COM TUDO, ATÉ A FACULDADE DO MEU FILHO FUI EU QUE PAGUEI. O ANO PASSADO MEU FILHO FICOU DESEMPREGADO E FUI EU QUE PAGUEI DESDE O CONDOMÍNIO, ALIMENTAÇÃO E DEMAIS.ATUALMENTE, GRAÇAS A DEUS ELE ESTÁ TRABALHANDO NO SHOPING. CONTINUO MANTENDO A CASA SOZINHA, ISTO É, CONSERVANDO-A, ATRAVÉS DE CUIDADOS, REFORMA, PARTE ELÉTRICA, HIDRÁULICA E DEMAIS. O ANO PASSADO, POR OCASIÃO DO DESEMPREGO DO MEU FILHO, LIGUEI PARA O PAI DELE E PERGUNTEI SE ELE SABIA SE O FILHO ESTAVA PASSANDO NECESSIDADE E ME RESPONDEU QUE NÃO TINHA DINHEIRO PARA AJUDÁ-LO, SENDO QUE TEM APOSENTADORIA E CONTINUA A TRABALHAR E QUE A CASA TINHA SAÍDO DA PENHORA E QUE TINHA ENTRADO O CARRO DELE. A UM TEMPO ATRÁS, RECEBI A VISITA DE UMA ESCRIVÃ, ENVIADA PELO JUIZ, PARA SABER QUEM MORAVA NA CASA, E CLARO, DISSE À ELA QUE ERA EU. ELA QUIS VER A CASA E FOI-SE EMBORA, ME ENTREGANDO UM PAPEL E DISSE PARA EU FICAR SOSSEGADA. PERGUNTO,ESSA LEI ACIMA ESTÁ EM VIGOR? MORO NO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO. VOCÊS PODEM ME AJUDAR? AGRADEÇO POR TUDO, FIQUEM COM DEUS!

    ResponderExcluir
  4. Sou separada de corpos há 23 anos,e moramos no mesmo espaço. Gostaria de saber se é obrigado me dá a pensão.desde já obrigada.

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.