É possível transfusão de sangue em Testemunha de Jeová , decide STJ (Relembre)

Postado por: Editor NJ \ 29 de janeiro de 2017 \ 31 comentários

Embora correta, tem gravíssimas consequências potenciais a decisão da 6.ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que isentou de responsabilidade pela morte da menina Juliana Bonfim da Silva, de apenas 13 anos, os pais dela, que alegaram motivos religiosos para se opor à realização de uma transfusão sanguínea salvadora. Para o STJ, a responsabilidade pelo trágico desfecho foi exclusivamente dos médicos.

Testemunhas de Jeová, os pais de Juliana, o militar aposentado Hélio Vitória dos Santos e a dona de casa Ildelir Bonfim de Souza, moradores em São Vicente, litoral de São Paulo, internaram-na no Hospital São José em julho de 1993, durante uma crise causada pela anemia falciforme, doença genética, incurável e com altos índices de mortalidade, que afeta afrodescendentes. A menina tinha os vasos sanguíneos obstruídos e só poderia ser salva mediante a realização de uma transfusão de emergência.

Os médicos que atenderam Juliana explicaram a gravidade da situação e a necessidade da transfusão sanguínea, mas os pais foram irredutíveis. A mãe chegou a dizer que preferia ter a filha morta a vê-la receber a transfusão. A transfusão não foi feita. Fez-se a sua vontade.

As Testemunhas de Jeová baseiam-se na “Bíblia” para recusar o uso e consumo de sangue (humano ou animal). Entendem que esta proibição aparece em muitas passagens bíblicas, das quais as seguintes são apenas exemplos:

Gênesis 9:3-5

Todo animal movente que está vivo pode servir-vos de alimento. Como no caso da vegetação verde, deveras vos dou tudo. Somente a carne com a sua alma — seu sangue — não deveis comer.

Levítico 7:26, 27

E não deveis comer nenhum sangue em qualquer dos lugares em que morardes, quer seja de ave quer de animal. Toda alma que comer qualquer sangue, esta alma terá de ser decepada do seu povo.

Levítico 17:10, 11

Quanto a qualquer homem da casa de Israel ou algum residente forasteiro que reside no vosso meio, que comer qualquer espécie de sangue, eu certamente porei minha face contra a alma que comer o sangue, e deveras o deceparei dentre seu povo. Pois a alma da carne está no sangue, e eu mesmo o pus para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas, porque é o sangue que faz expiação pela alma [nele].

Atos dos Apóstolos 15:19, 20

Por isso, a minha decisão é não afligir a esses das nações, que se voltam para Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das coisas poluídas por ídolos, e da fornicação, e do estrangulado, e do sangue.

Para o ministro Sebastião Reis Júnior, que votou na terça-feira (12/08), a oposição dos pais à transfusão não deveria ser levada em consideração pelos médicos, que deveriam ter feito o procedimento -mesmo que contra a vontade da família. Assim, a conduta dos pais não constituiu assassinato, já que não causou a morte da menina.

A decisão no STJ foi comemorada pelo advogado Alberto Zacharias Toron, que defendeu os pais da menina morta: “É um julgamento histórico porque reafirma a liberdade religiosa e a obrigação que os médicos têm com a vida. Os ministros entenderam que a vida é um bem maior, independente da questão religiosa”.

Então, quem é culpado pela morte da menina que poderia ter sido salva mediante a realização da transfusão? Resposta: os médicos, que ao respeitar a vontade dos pais, desrespeitaram o Código de Ética Médica (2009), claríssimo sobre o assunto:

“É vedado ao médico:

“Art. 31. Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte.

“Art. 32. Deixar de usar todos os meios disponíveis de diagnóstico e tratamento, cientificamente reconhecidos e a seu alcance, em favor do paciente”.

Isso posto, está claro que a decisão do STJ tem menos a ver com a afirmação do direito à liberdade de crença e muito mais a ver com a primazia do direito à vida sobre todos os demais. Assim, a mãe poderia até preferir ter a filha morta a vê-la passando por um processo de transfusão. Mas a Justiça brasileira, não! E o médico também não!

Agora, vamos aos problemas e aos perigos de uma tão incontrastável decisão, e que já aparecem nos fóruns de debates da internet, reunindo ex e atuais membros da religião das Testemunhas de Jeová.

- Como em todas as religiões, há os sinceros e os “espertinhos”. Os “espertinhos” ficarão tranquilos por saberem que não serão excluídos do grupo religioso se passarem por uma transfusão. Bastará dizer que manifestaram a não-aceitação do procedimento, mas que os médicos fizeram-no contra a sua vontade. “A decisão salvaguarda a hipocrisia”, comentou um debatedor. “Os pais proíbem a transfusão para se eximirem da culpa; os médicos fazem o procedimento para se livrarem de processos e, assim, se condenam diante de Deus no lugar dos pais.”

- Acontece que, para uso interno no grupo das Testemunhas de Jeová, a proibição da transfusão de sangue prosseguirá. Imagine uma mãe que, tendo preferido ver a filha morta caso a transfusão fosse feita, depois de alguns dias, a menina curada, possa levá-la para casa. Que tipo de tratamento essa mãe dará à filha “decepada de seu povo”? Como lidar com as consequências psicológicas adversas, que certamente acometerão as famílias testemunhas de Jeovás que, levando a sério a proibição, tiverem um de seus membros proscritos pela transfusão contra a vontade?

- Para piorar, é razoável prever que muitas testemunhas de Jeová “sinceras” prefiram ficar distantes dos hospitais e médicos, por saberem que a transfusão será feita de qualquer jeito. Com isso, doenças que até poderiam ter tratamentos alternativos (sem o concurso da transfusão) ficarão sem quaisquer cuidados, prejudicando os enfermos e até antecipando-lhes a morte. “Isso sem contar os pais que, desesperados pela realização de um procedimento abominado por Deus, podem simplesmente vir a remover o filho do hospital às escondidas para livrá-lo da transfusão”, afirmou outro debatedor.

Todas essas questões apontam para dilemas que não são meramente individuais, mas dizem respeito à saúde pública. De acordo dados do Censo de 2010 do IBGE, existiam 1.393.208 Testemunhas de Jeová no Brasil, uma religião com crescimento consistente e positivo. Em 2013, foram feitos 26.329 batizados no país. No evento de 2013 da Comemoração da Morte de Cristo, a mais importante celebração religiosa do grupo, estiveram presentes 1.681.986 pessoas.

Agora, imagine boa parte dessa gente alijada de procedimentos médicos que salvam vidas e poupam sofrimentos. Que Deus é esse?

Fonte: Yahoo Notícias

categoria: , , ,

31 comentários:

  1. Como nossa Medicina é de Primeiro Mundo,sem dúvida a culpa é de todas as religiões. SEMPRE!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo!!
      fora do Brasil dificilmente há esse debate pois, há vários outros meios alternativos utilizados pelos hospitais para atenderem pacientes que são testemunha de jeová.

      Excluir
  2. Do ponto de vista das Testemunhas de Jeová, elas buscam ser obedientes a Deus quanto à transfusão de sangue. No entanto, estão dispostas a aceitar as mais diversas alternativas de tratamento médico. Diante de problemas de saúde, as TJ's jamais evitam recorrer aos hospitais e a médicos na intenção de fugir das transfusões. Apenas querem ser fieis e ter o melhor tratamento médico possível. Aos poucos a medicina tem chegado à conclusão que o uso de transfusões de sangue não é um bom tratamento, principalmente diante do risco de proliferação de doenças, a exemplo da Hepatite C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, conheço vários relatos de pessoas que contraíram hepatite c depois dá transfusão de sangue.Eu já era contra a transfusão e depois que comecei estudar na área dá saúde, aí que tomei pavor.as pessoas parecem por falta de conhecimento.Existe outros métodos a serem usados.

      Excluir
    2. por favor! não proliferem estas idéias irreais expostas num livro que foi escrito pela conveniência política de um imperador, leiam, estudem, não permitem que entes queridos morram, este deus cruél não pode prevalecer sobre VIDAS, espalhem amor, vida , como pode um ser humano ser contra a vida? contra a saúde de uma criança indefesa que nem ao menos teve a chance de escolher se quer ou não pertencer a uma filosofia de vida que tem como parâmetro um livro que foi escrito há 1.500 anos??????

      Excluir
    3. Quantas pessoas morreram por ter recebido transfusão de sangue? Eles nem sabem, pois tem vários efeitos colaterais e ninguém vai deixar seu filho morrer, existem tratamentos alternativos ao sangue. Coloca uma coisa na sua cabeça: Sangue não salva a vida de ninguém! É um tratamento obsoleto! O sangue é exclusivo de cada um e não deve ser dividido. Quantas pessoas morreram por que receberam sangue? Provavelmente não existe um número específico, mas sim pessoas que recebem sangue também morrem!Vai ler, se informar e depois dá uma opinião!

      Excluir
  3. Tirem suas conclusões por outra passagem biblicas.
    http://olharcristao.blogspot.com.br/2014/07/medicina-na-biblia.html

    ResponderExcluir
  4. 5 Décadas atrás, as Testemunhas de Jeová recebiam transfusão de sangue, tanto que era encorajado como dever cívico ser doador de sangue e orgãos. Com a mudança das lideranças da Torre da Vigia, ficou a incongruência de proibir transfusão sangue, mas permitido transfusão de órgãos(órgãos transplantados contem sangue).
    Tem que ser feito como na Europa, onde os TJs são proibidos de deixar as crianças participarem dos cultos até os 16 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem isso que você disse somos ainda julgados pela nossa escolha religiosa, as pessoas deviam perder um pouco a preguiça e ler um pouco mais sobre nós e de que somos abertos a tratamentos alternativos.

      Excluir
  5. Texto completamente oposto ao que deveria pregar esse senhor editor desse site. As aspas usadas em termos que você, editor, se refere às Testemunhas de Jeová, revelam total desejo de agredir e impor o seu ponto de vista. Antes de publicar uma matéria com esse teor, seria muito mais legítimo e profissional estudar sobre o assunto. Seus argumentos são rasos. Sugiro que busque uma conversa com alguma Testemunha de Jeová próxima e peça a explicação sobre o motivo de rejeitarem as transfusões de sangue. Se tiver preguiça de fazer isso, como fica claro quando se lê esse seu texto, ao menos observe o vasto material sobre o assunto, contido no site JW.org. Não vou te enviar um link específico, para que pelo menos você exerça sua obrigação de ir atrás das informações, antes de falar bobagem.

    ResponderExcluir
  6. Não sou TJ, mas acho equivocado emitir um julgamento sem ouvir ambas as partes, em qualquer situação. O poder do Estado deve ter limitações, especialmente na esfera religiosa que é de foro íntimo e pessoal. - "Todo o homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela
    prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em
    público ou em particular" - Isso é um direito fundamental assegurado na Constituição. Não sou Testemunha, mas não gostaria de ter minha crença, que é uma questão pessoal, sendo regulamentada pelo Estado...Pense a respeito, você gostaria? O direito a vida é importante a todos, da mesma forma que é importante a liberdade que o indivíduo pode exercer durante a sua vida. Apenas direito à vida não basta, é necessário e fundamental que haja a LIBERDADE para que a DIGNIDADE do ser humano se faça completa.

    Thaise

    ResponderExcluir
  7. Valdir Camilo da Silva17 de dezembro de 2014 22:44

    Conceitos religiosos à parte, o que essa decisão fez foi afrontar o princípios bioético da autonomia da vontade - que tem sido cada vez mais reconhecido em países esclarecidos e desenvolvidos -, bem como desestimular a medicina de ponta - que não usa sangue alogênico. Os que saem perdendo somos todos nós. Estamos indo na contramão do progresso - médico e dos direitos. https://www.youtube.com/watch?v=NANDavECNRo

    GOVERNO AMERICANO INVESTE MILHÕES EM CIRURGIA SEM SANGUE
    Este vídeo mostra o avanço da medicina no quesito...
    YOUTUBE.COM|POR ALDO1973LISBOA· 4 min

    A anticientificidade do tratamento com sangue alogênico é demonstrada neste vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=fr4k-pyo5hk

    TVU Especial - Sangue
    O Tratamento alternativo à transfusão de sangue é tema do TVU Especial.

    ResponderExcluir
  8. Como sempre as pessoas julgam, pela religião. E se esquecem de que cada vez mais a medicina deixa a desejar. Porque eles buscam o que é mais obvio e se esquecem dos demais perigos. Sendo q tratentos alternativos existem e nao precisão deixar ninguém morrer. E ainda falam que Deus é este? Este é um Deus justo e reto ele que o melhor para seus servos. E cabe a nos que presenciamos as maravilhosas bênção dele em nossa vida apenas obdecermos os seus mandamentos. E triste sabermos que somos julgados assim e não defendidos como recorrentes de alternativas, como todo ser humano existente temos esse direito. Eu sou Testemunha de Jeová e tenho orgulho de ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, a maldita medicina! Quanta gente ja morreu por culpa dela! A religiao, essa sim nunca matou ninguem! Santa hipocrisia!

      Excluir
  9. O Estado deve respeitar as opções dos indivíduos, sendo de caráter religioso ou não.

    Nesse caso específico, tratando-se de uma criança, que ainda não formou um juízo de valor acerca da religião escolhida por seus pais, vejo como dever médico (respaldado pela justiça) lutar pela sobe vivência da criança.O indivíduo é responsável pelas próprias escolhas, não podendo penalizar o outro por uma crença sua, ainda mais por um preço tão alto como a vida.

    ResponderExcluir
  10. Sempre acreditei que reportagens deveriam contar fatos e seus autores deveriam ser imparciais. Um site como este, deveria expor o assunto de forma imparcial aos seus leitores, em vez de vomitar opiniões rasas e pensamentos pessoais por meio do texto. Cada um deve decidir em que acreditar e o que vai apoiar. Essa decisão deve ser tomada após estudos sobre o assunto e fatos. E para aqueles que afirmam que temos uma medicina de primeiro mundo, convido-o para visitar um hospital super lotado do SUS, onde tratamentos alternativos são recusados ou pior: nem postos em pauta. Tratamentos estes que existem SIM e são defendidos por diversos médicos no Brasil e no mundo. Transfusões aumentam a taxa de mortalidade e de infecção, mas as evidências apontam para alterações químicas no sangue já envelhecido, seu impacto sobre o sistema imunológico e para a capacidade do sangue em transportar oxigênio. Nenhum médico pode lhe dar a certeza de vida ou de morte. Pessoas: Estudem antes de cair matando em cima de alguém, seja ele um religioso ou não. Abram suas mentes para formas alternativas de tratamento e estudem sobre. Pesquisem o caso. Não se privem a apenas uma opinião parcial e preguiçosa de um site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde está o botão de bater palmas para este comentário? As pessoas são tão ignorantes, tem preguiça de saber a realidade dos fatos!

      Excluir
  11. A decisão no STJ foi comemorada pelo advogado Alberto Zacharias Toron, que defendeu os pais da menina morta: “É um julgamento histórico porque reafirma a liberdade religiosa e a obrigação que os médicos têm com a vida. Os ministros entenderam que a vida é um bem maior, independente da questão religiosa”.

    O problema é que eles exerceram a "liberdade religiosa" com a vida de terceiro. Lamentável esse fanatismo!

    ResponderExcluir
  12. decisão infeliz... a dignidade da pessoa humana, está acima do direito a vida, pois viver sem dignidade é pior que morrer, viver aos olhos da crença religiosa como um ser segregado é indigno e causa mais sofrimento que a própria morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parabéns amigo(a)... excelente resposta. Ainda lembro que o Código Penal Brasileiro, permite o aborto decorrente de estupro, haja vista que a dignidade da gestante está acima do direito a vida daquele feto que foi gerado através de uma ato de violência sexual.

      Excluir
    2. Indigno será viver nesse grupo religioso sob essas regras absurdas contra o direito à vida dado ao homem pelo próprio Criador, Deus não é a favor do suicídio e nem que outros ou terceiro decidam pela morte de alguém, isso é contra o mandamento que diz "NÃO MATARÁS". E segregados são os membros dessa seita de doutrinação e histórico cheio de controvérsias, falácias de argumentação biblicas e atitudes incoerentes em relação a obediência a Deus e amor ao próximo. Todo texto fora de contexto pode se tornar um pretexto - o contexto bíblico sobre o sangue jamais se aplicou a transfusão de sangue humano e muito menos quando feita da maneira segura com sangue evidentemente não contaminado, e cuja finalidade é salvar vidas e não deixá-las perecer por falta de cuidados, e o que é pior: por vontade própria ou de terceiros, mesmo tendo recursos para poder evitar.

      Excluir
    3. O que posso de dizer de seu comentário? Acredito que você não tem informações suficientes por isso escreveu essas palavras sem sentido algum! Seria muito bom que ninguém obedecesse a ordem de servir o exército e matar outras pessoas, mas disso ninguém reclama! Se informe melhor caro anônimo! http://bloodless.com.br/pt/ Vou deixar apenas um trecho para quem não tem a mente fechada: A razão, principal e mais preocupante, é o fato de as transfusões de sangue alogênico (sangue de outra pessoa) estarem relacionadas a vários efeitos colaterais. O sangue que se transfunde não é diferente de um remédio administrado a um paciente para tratar determinado problema de saúde. Como toda e qualquer terapia medicamentosa a terapia transfusional também tem seus efeitos adversos. Pesquisas nacionais e internacionais demonstraram inicialmente que o uso de sangue alogênico tem um risco aumentado de transmitir alguns tipos bem conhecidos de infecções, tais como AIDS, Hepatite B, Hepatite C, Doença de Chagas, Sífilis, Dengue, Vírus Chikungunya, Vírus Zika.

      Em 2009, descobriu que não são apenas estas, mas há pelo menos 68 (sessenta e oito) agentes infecciosos entre vírus, bactérias e protozoários passíveis de serem transmitidos através de uma transfusão de sangue. Além disso, pesquisas recentes revelam outros efeitos graves à saúde do paciente que recebe uma hemotransfusão, tais como infarto do miocárdio (“ataque cardíaco”), arritmias cardíacas, acidente vascular cerebral (“derrame cerebral”), problemas pulmonares, falência dos rins, falência de múltiplos órgãos. Estas descobertas têm preocupado a comunidade médica.

      No entanto, o questionamento maior com a prática transfusional está acontecendo na época atual, devido a vários estudos demonstrarem que o sangue (alogênico) transfundido por si só tem o potencial de causar a morte do paciente. Isto vai contra, de acordo com estas pesquisas, a tudo aquilo que a medicina um dia orientou sobre a utilização do sangue.

      Diante destas evidências torna-se necessário evoluir e avançar. A medicina é uma ciência dinâmica e evolui de acordo com a necessidade. O desafio atual é uma medicina não transfusional, ou pelo menos, mais restritiva. Daí a importância de divulgar alternativas e opções de tratamento para que o cirurgião, anestesiologista, clínico e/ou médico de terapia intensiva, possam reduzir ou evitar transfusões de sangue de outra pessoa.

      Excluir
  13. Que abdiquem dos tratamentos médicos e morram todos logo!
    Escoria social maldita...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk não vão morrer não! Pelo contrário!

      Excluir
  14. É lamentável que pessoas que desconhece a Lei do Criador da Vida digam coisas tão degradantes e difamatórias; pessoal JEOVÁ Criou não só as TESTEMUNHAS DE JEOVÁ, MAS CRIOU VOCÊ TAMBÉM, SIM VOCÊ! Procure saber antes de falar.mas, procure quem te diga a VERDADE, não o que terceiros disseram, não espalhe o que você ACHA ser. Já que quer comentar algo, TENHA CERTEZA DO QUE VOCÊ VOCÊ ESTÁ DIZENDO, LEMBRE-SE QUE EXISTE CRIME VIRTUAL, NÃO SEJA UM COMPARTILHADOR DE CRIMES, PODE TE GERAR PROBLEMAS. VOLTANDO AO CASO, A própria MEDICINA AFIRMA veementemente que o sangue NÃO SALVA vidas, mas pelo contrário pode MATAR. DUVIDA? assista o vídeo www.youtube.com/watch?v=fr4k-pyo5hk.

    ResponderExcluir
  15. O estado deve ser laico, as leis devem ser destituídas da religiosidade, pois cada caso é um caso e deve haver imparcialidade nas ações, se for para salvaguardar o direito religioso dos pais então por que não pode ser levado em consideração o credo religioso do médico ou da equipe de saúde? ex: se o médico assistente crer que é pecado realizar o procedimento então ele deve ser isento da técnica? se for pra levar em consideração o credo das pessoas então as pessoas não são iguais perante a lei, sendo assim, a meu ver inconstitucional, e eu nem sou do direito, sou graduando em enfermagem!!

    ResponderExcluir
  16. Um texto tipico de informações sensacionalistas. O Deus que o texto questiona ao dizer: "Que Deus é esse?" é o mesmo que incentiva seus seguidores a nao participar de guerras tirando a vida de outro ser humano. O que deixa claro que Ele nao é cruel ou nao se importa com quem o serve, a opniao dos pais deveriam e ainda devem ser respeitada, muitos métodos que nao incluem a transfusão estão disponiveis a quem realmemte quer salvar um paciente ao inves de fazer o básico, o comodo. Com certeza a mãe nao queria a filha morta, e a pergunta sobre "como ela trataria a sua filha" basta perguntar a qualquer criança filha(o) de testemunhas de Jeova que saberá sobre sua criação, que é amorosa e construtiva com padrões solidos de sociabilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente sou obrigado a emitir minha opinião. As TJs seguem sua religião e tem o direito de fazê-los, porém o que não têm o direito é afirmar que isso é bíblico, inclusive tentam a todo custo afirmar que a transfusão é a mesma coisa de se alimentar de sangue. As escrituras vedam aos cristão à prática de usar o sangue como alimento, prática comum no paganismo. Mas o mais importante que Jesus Cristo afirmou claramente que Deus quer a misericórdia em vez do sacrifício, portanto a religião, ou qualquer pai ou mãe, que diz que é preferível a morte do filho (a) está escolhendo sacrificar em vez de salvar por meio da misericórdia. Não vou entrar em outras questões estranhas praticadas pelos TJs, mas deixo aqui uma reflexão sobre o orgulho de serem isentos por não fornecerem seus homens como soldados para pegarem em armas para lutarem nas guerras: não deveriam sentir é vergonha pela covardia de usufruir da paz alcançadas por abnegados soldados que lutaram para que hoje vivamos num mundo melhor? Já pensou se enquanto Hitler conquistava o Mundo a maioria dos povos conquistados e "genocidados" pensasse como uma TJ? Graças a Deus que cristãos, budistas, ateus e diferentes crenças se uniram em torno de um objetivo de defender suas pátrias, suas mulheres e crianças
      Não senhores TJs, deveriam ter vergonha da hipócrita isenção militar, mesmo porque a Bíblia está cheias de eventos de guerras onde homens tementes ao Senhor pegaram em armas em árduas batalhas para uma sociedade melhor.

      Excluir
  17. Achei essa matéria muito imparcial, a última frase do texto prova que quem escreveu tomou partido no debate, e pior ofende o Deus das pessoas envolvidas e não apenas a religião, pra quem não sabe pra os tj's tudo isso é passageiro, as esperanças deles são num novo mundo. Acho que pior do que mal esclarecidos sobre a bíblia, são os mal esclarecidos sobre JORNALISMO.

    ResponderExcluir
  18. https://youtu.be/G72o5mvw7fE

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.