O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, fez duras críticas ao sistema prisional brasileiro durante palestra realizada nesta quarta-feira (29/01) em Londres, na universidade King’s College. Para o ministro - que está de férias na Europa, mas cumpre agenda oficial -, “horror” é a palavra que define as prisões brasileiras que, segundo ele, não mudam por falta de vontade política.

“Horror é a palavra mais adequada para qualificar as prisões brasileiras. E a pergunta é: por que a situação é tão absurda? (...) É uma questão de prioridade. Políticos não se importam com prisões, porque (o tema) não dá retorno político”, afirmou Barbosa, ao ser questionado sobre os episódios de violência no Maranhão, onde detentos foram mortos durante um motim no presídio de Pedrinhas.

Barbosa discursou, em inglês, por cerca de 35 minutos, a uma plateia de cerca de 300 pessoas, na maioria estudantes da universidade britânica. Na sequência, respondeu às perguntas da plateia, formada, em sua maioria, por brasileiros. Embora tenha afirmado que “conversou com a presidente” Dilma Rousseff sobre o assunto, o ministro endereçou as críticas aos governos estaduais, ao explicar que, no Brasil, a administração dos presídios é responsabilidade dos Estados.

“Eu falei com a presidente do Brasil ao menos duas ou três vezes sobre essa questão. Também falei com governadores. Mas se não dá retorno político, eles não ligam. Até que aconteça algum massacre, como aconteceu no Maranhão. (...) Os governos estaduais dizem que não têm meios suficientes para fazer novas prisões”, afirmou.

Presidência

Na palestra, Barbosa explicou como funciona o Poder Judiciário brasileiro, e lembrou alguns julgamentos que fizeram história no STF, como o que autorizou o uso de células-tronco embrionárias e colocou em prática a lei da Ficha Limpa. Ele, entretanto, evitou citar casos mais recentes de destaque, como a condenação dos réus do Mensalão e saiu sem dar entrevistas.

“Em 2012, os olhos do Brasil se votaram para o Supremo, por causa da Ficha Limpa. Este será o primeiro ano que vamos ver o impacto dessa lei, pois será a primeira eleição nacional (após a decisão da Corte)”, disse, afirmando acreditar que a medida terá um "impacto enorme" contra a corrupção.

Embora tenha abordado o impacto da lei sobre as eleições de 2014, Barbosa voltou a negar que tenha intenções de se candidatar à Presidência da República, ao ser questionado se gostaria de concorrer.

“Não, não quero. Eu já disse para a imprensa brasileira (que não). Muitas pessoas me dizem nas ruas: ‘você deveria ser presidente’. Mas eu nunca fui filiado a nenhum partido. Mesmo quando universitário, nunca fui militante. Então não”, ressaltou. “Eu não vejo a hora de ser um homem livre de novo. De ter menos exposição, como a que tenho agora (como presidente do STF)”, concluiu.

Outro tema abordado pelo ministro foi a questão do preconceito racial, o que, segundo Barbosa, é o “problema mais sério” do país hoje.

“A discriminação racial é o problema mais sério dentro do Brasil, na minha opinião. O Brasil deve fazer algo para incluir os negros na sociedade. (...) As cotas não resolveram os problemas”, ponderou.

Por que os brasileiros não gostam de discutir a questão? Eu não sei, talvez seja um tema chato”, disse Barbosa, que arrancou risadas da plateia ao comparar a TV brasileira à dinamarquesa. “Não tem negro na TV. Parece até a televisão da Dinamarca”, afirmou.

Polêmicas

Nesta quarta (29), Barbosa não abordou o Mensalão em sua palestra e também se recusou a comentar o assunto ao ser questionado por jornalistas brasileiros. Ao chegar a Londres, na última segunda-feira (27), Barbosa criticou a imprensa brasileira por divulgar declarações dos condenados no processo.

“Pessoas condenadas por corrupção devem ficar no ostracismo. Faz parte da pena", afirmou, em referência à entrevista publicada no domingo (26) pela Folha de S.Paulo com o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), um dos condenados.

Antes da visita à capital britânica, Barbosa visitou Paris, na França, onde fez outra palestra a juristas e se reuniu com autoridades. A viagem do ministro à Europa provocou críticas, pois ele recebeu R$ 14 mil em diárias do Supremo, mesmo estando oficialmente de férias.

Em Paris, na semana passada, Barbosa afirmou considerar a polêmica em torno do pagamento das diárias uma “grande bobagem”, e afirmou que recebeu o valor por representar o Poder Judiciário brasileiro em compromissos oficiais nos países. A palestra na universidade de King's College foi o último compromisso oficial do ministro, que retorna ao Brasil nesta quinta-feira (30).
1. É Advogado;

2. Está sempre muito bem vestido, perfumado e com cabelos e barba bem aparados;

3. Como Advogado, vai fazê-la se sentir uma rainha, nem que para isso tenha que se valer de todo o talento para mentir;

4. Vai te levar somente em lugares requintados, nem que para isso tenha que pagar com o seu cartão de crédito;

5. Vai te levar para passear no carrão importado dele (carro que ele ainda não perdeu para o banco por que está amparado por uma liminar que conseguiu em uma ação revisional);

6. Em geral não usa brincos e/ou cabelos compridos e/ou tatuagens, e portanto você não terá receio de apresentá-lo à sua família e amigas;

7. Aparenta sempre ser um carinha muito inteligente, mesmo sendo tão burro quanto uma porta;

8. Por ser Advogado, é muito esperto, e portanto, você nunca, nunca mesmo, irá saber se algum dia ele te traiu;

9. Mas se algum dia você descobrir a traição, ele vai negar até a morte, até que você se convença de que ele é realmente inocente, e ai, ele vai se fazer de vítima, sua especialidade, fazendo você se sentir a pior pessoa do mundo ao tê-lo acusado injustamente;

10. Quando alguém perguntar o que seu namorado faz, você vai poder falar “É Advogado!!”
A Câmara dos Deputados deve concluir, em fevereiro, a votação do novo Código de Processo Civil (CPC – PL 6025/05, apensado ao 8046/10). Essa é a expectativa do relator da matéria, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), e do presidente da comissão especial que analisou o tema, deputado Fábio Trad (PMDB-MS).

Os deputados já aprovaram o texto principal em novembro, restando a análise de cerca de 40 destaques, que questionam pontos diversos da proposta.

O novo CPC aposta na mediação e na conciliação como instrumentos capazes de solucionar conflitos e reduzir o tempo de tramitação de causas cíveis na Justiça, que incluem direito de família e do consumidor, pedidos de indenização, reconhecimento de dívidas, entre outros.
A proposta simplifica o processo e elimina formalidades. Cria também o chamado incidente de resolução de demandas repetitivas, para evitar a multiplicação de ações com o mesmo pedido, dando a elas a mesma decisão.

Aplicação da jurisprudência

"O que se propôs com esse novo Código de Processo Civil foi: na medida em que o primeiro caso chegar ao tribunal, suspendem-se os outros casos, decide-se como aplicar o direito e aplica-se o direito a todos os casos pendentes”, explica Paulo Teixeira.

“Hoje, um cidadão entra com uma causa no Judiciário, outro com a mesma, e as decisões são diferentes. Estamos exigindo que o Judiciário aplique a jurisprudência e justifique a sua sentença. Assim, evitaremos tratamento desigual para causas iguais", acrescenta o parlamentar.

Pontos polêmicos

Apesar de terem votado o texto-base do novo CPC, com mais de 1.000 artigos, os deputados ainda não chegaram a um consenso sobre alguns pontos polêmicos, pendentes de análise na forma de destaques. Três causam mais divergência.

Um deles trata do pagamento de honorários para advogados públicos, previsto no projeto. PP e PMDB querem retirar o dispositivo do texto, com o apoio do governo federal.

Outro destaque é defendido pela bancada feminina, que quer manter o regime fechado como regra para quem não paga pensão alimentícia. O projeto prevê a prisão do devedor inicialmente em regime semiaberto, no qual o condenado fica preso à noite e pode sair para trabalhar durante o dia. O regime fechado seria apenas para os reincidentes.

O terceiro destaque mais polêmico foi apresentado pelo PTB, que quer inviabilizar o confisco de contas bancárias e investimentos, conhecido como penhora on-line. A ideia é impedir que o juiz possa congelar, em caráter liminar, as contas para pagamento de dívidas.

Antes do carnaval

Para Fábio Trad, as divergências que ainda restam em relação ao texto não devem inviabilizar a votação em fevereiro. "A perspectiva é que possamos já em fevereiro votar os últimos destaques apresentados pelos deputados na forma de emendas, para que então possamos antes mesmo do período de carnaval dar ao País um novo Código de Processo Civil, afinal o atual é de 1973".

O projeto do novo CPC veio do Senado. Como está sendo modificado pelos deputados, deverá retornar à análise dos senadores após a votação pela Câmara.

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, completa um ano nesta segunda-feira (27) sem a condenação de culpados e sem nenhum dos réus do processo criminal preso. Vários processos correm em diferentes esferas da Justiça do Rio Grande do Sul, mas a demora para apontar os responsáveis pelo saldo de 242 mortes e centenas de feridos causa revolta entre os familiares das vítimas e deixa no ar uma sensação de impunidade.

Nos dias seguintes ao incêndio, as autoridades concluíram que uma série de erros contribuiu para o resultado trágico. Eles vão desde a superlotação da boate, passando pela imprudência dos músicos no uso de artefatos pirotécnicos impróprios para ambientes fechados até as falhas de fiscalização do poder público, que permitiu o funcionamento de um estabelecimento sem condições de segurança e em situação irregular.

Até agora, no entanto, ninguém foi responsabilizado por esses erros. Principais acusados, os sócios da casa noturna, Elissandro Spohr, o Kiko, e Mauro Hoffmann, e os integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão, ficaram quatro meses presos, mas desde maio passado aguardam em liberdade por um julgamento que pode demorar anos.

“Quando eles foram soltos, ali eles fizeram uma segunda ruptura na nossa vida”, diz Adherbal Ferreira, que perdeu a filha Jennefer, de 22 anos, e desde então tem se dedicado à Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), entidade que reúne cerca de 800 pessoas e da qual é presidente.

Além dos sócios da casa noturna e dos integrantes da banda, bombeiros também integram a lista dos réus nos cinco processos que tramitam na Justiça comum e militar do estado. Mas a ausência de servidores da prefeitura, que chegaram a ser indiciados pelo Polícia Civil, mas acabaram não sendo denunciados pelo Ministério Público (MP), é o que mais incomoda os familiares das vítimas.

“Nunca, em nenhum dia, essa boate, que funcionou por quatro anos, teve todos os documentos prévios que a legislação exigia. O que ocorreu para essa boate ficar aberta durante tanto tempo sem os requisitos necessários que a lei exigia? É isso o que queremos saber agora”, diz Luiz Fernando Smaniotto, um dos advogados da associação.

Para responder a essa pergunta, dois novos inquéritos ainda estão abertos na Polícia Civil para investigar fatos que não foram esclarecidos na primeira investigação. Um deles trata de irregularidades na liberação dos alvarás municipais para a Kiss e o outro de supostas fraude cometida pelos antigos proprietários para a obtenção de licenças.

De acordo com a delegada Luiza Souza, responsável pelo caso, a Kiss nunca teve a documentação necessária para funcionar. Ou ela não tinha algum alvará ou o documento foi liberado sem o cumprimento dos requisitos. Entre as irregularidades apontadas pela polícia também estão falsificações no Estudo de Impacto de Vizinhança, necessários para a autorização de funcionamento do empreendimento.

Os dois inquéritos devem ser concluídos até fevereiro. A polícia não adianta quantas pessoas serão indiciadas nem por quais motivos, mas a expectativa dos familiares das vítimas é que integrantes da prefeitura de Santa Maria estejam na lista por atos de improbidade administrativa.

“Crime é mais complicado, porque a gente tem de comprovar o dolo, se essas licenças foram liberadas para beneficiar, para algum proveito de alguém, o que até o presente momento a gente não tem. Talvez possa se chegar em responsabilização administrativa, política, enfim, questões de improbidade”, diz a delegada.

O prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer (PMDB), se defende. Ele diz que o próprio MP e o Poder Judiciário determinaram o arquivamento de um apontamento feito pela polícia no primeiro inquérito, por homicídio culposo. Os indiciamentos contra outros dois secretários municipais e dois servidores também foram arquivados pelo MP.

“Eu compreendo a manifestação dos pais e familiares, porque é uma manifestação de inconformidade com uma tragédia que todos nós lastimamos. Mas esta questão da responsabilização não pode ser palpite nem desejo. Porque não se faz justiça com injustiças. Se faz justiça verificando a lei e verificando as responsabilidades individuais específicas. No caso, não tem nenhum servidor da prefeitura, nem secretário, nem prefeito, que esteja sendo responsabilizado”, argumenta Schirmer.

O MP aguarda a conclusão dos novos inquéritos da Polícia Civil para decidir se vai oferecer novas denúncias na esfera cível. O processo retornou para a análise dos promotores de Santa Maria, por determinação do Conselho Superior do órgão. Em agosto, oito bombeiros foram denunciados pelo órgão. Funcionários da prefeitura, nenhum.

“Não se captou ou pelo menos não se conseguiu nenhum elemento de prova que indicasse que a prefeitura ou os agentes da prefeitura tivessem agido com ma-fé ou dolo quando liberaram o funcionamento da boate”, justifica o promotor Joel Dutra.

Complexidade do processo causa demora

De acordo com o presidente da subseção de Santa Maria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Péricles Lamartine da Costa, a sensação de impunidade reclamada pelos familiares não é real. Ele diz que, pela dimensão da tragédia na Kiss e pela complexidade dos processos na Justiça, a demora para a aplicação de qualquer pena é natural.

“Pelo número de pessoas envolvidas e pela quantidade de testemunhas para serem ouvidas, nós sabemos que isso vai ser um procedimento demorado. Mas é preciso respeitar a natureza do processo, do direito à ampla defesa, ao contraditório. É arriscado acelerar o processo, sob pena de provocar a nulidade. As pessoas têm de entender que a busca por justiça demanda tempo. É preciso esperar e ter paciência”, avalia.

Desde 27 de janeiro de 2013, esperar é só o que fazem muitos dos familiares das 242 vítimas. Esperar por um filho que jamais vai chegar em casa depois do aula ou por uma razão para seguir tocando a vida. E por justiça. Adherbal e outros membros da associação prometem seguir na luta até que os culpados pela tragédia sejam responsabilizados.

“Aqueles que devem pagar vão pagar, sim. Eu acho que Deus vai fazer justiça, com certeza absoluta. Mas Deus quer também a justiça do homem. Então cabe a nós assumir essa posição e dizer para o país, não só para Santa Maria, que basta. Isso é falcatrua, isso é indecência, isso é imoralidade, isso é jeitinho. Tem de seguir as regras, as leis que estão aí postas só no papel, vamos botar em prática”, diz Adherbal.

Veja como está o andamento dos processos na Justiça

Esfera criminal

- Acusação: homicidios dolosos e tentativas de homicídio
- Réus: Elissandro Spohr (sócio da boate), Mauro Hoffmann (sócio da boate), Marcelo de Jesus dos Santos (vocalista da banda Gurizada Fandangueira) e Luciano Augusto Bonilha Leão (produtor da Gurizada Fandangueira).

Principal processo do caso Kiss, o que apura crime contra a vida ainda está em fase de instrução na 1º Vara Criminal de Santa Maria. Desde o final de junho, quando começaram os depoimentos, foram ouvidas 92 pessoas relacionadas pela defesa e acusação como vítimas. Outras 25 ainda aguardam para prestar depoimento, em datas a serem marcadas. Depois, serão intimadas pelo menos mais 71 testemunhas e outros 29 peritos, de acordo com Tribunal de Justiça (TJ-RS). Os réus também serão ouvidos.

A última movimentação ocorreu na semana passada. A juíza substituta Karla Aveline de Oliveira negou o pedido do advogado de Elissandro Spohr para que fossem ouvidos os 636 sobreviventes da tragédia. A magistrada – que cobre as férias do juiz responsável pelo caso, Ulysses Fonseca Louzada, – também determinou que o IGP aguarde o retorno do juiz titular para coletar material a fim de realizar nova perícia no prédio da boate em outra data. O procedimento estava marcado para 23 de janeiro. De acordo com a Justiça, o julgamento não sai antes de 2015, na melhor das hipóteses.

Esfera criminal

- Acusação: falsos testemunhos
- Réus: Elton Uroda (ex-sócio da Kiss) e Volmir Panzer (contador).

O ex-sócio da Kiss, Elton Cristiano Uroda, e o contador das empresas da família Sphor, Volmir Astor Panzer, foram denuncidos no dia 2 de abril por falso testemunho. A ação ainda se encontra em fase de depoimentos. Só uma testemunha de acusação foi ouvida até agora.

Esfera criminal

- Acusação: fraude processual
Réus: Gerson da Rosa Pereira (major) e Renan Severo Berleze (sargento).

Dois bombeiros foram denunciados pelo MP em 2 de abril por supostamente terem incluído documentos no arquivo da boate Kiss no Corpo de Bombeiros no dia seguinte à tragédia. O sargento Renan Berleza aceitou uma proposta de suspensão condicional do processo e a ação contra ele foi encerrada. A assistência de acusação contestou o acordo, mas o juiz manteve o benefício. Já o major Gerson Pereira não aceitou a oferta e segue sendo processado.

Esfera militar

- Acusação: Artigo 312 do CPM (inserir declaração falsa em documento público)
- Réus: tenente-coronel Moisés da Silva Fuchs (ex-Comandante do 4º Comando Regional de Bombeiros), o tenente-coronel da reserva Daniel da Silva Adriano e capitão Alex da Rocha Camillo (ex-Chefes da Seção de Prevenção a Incêndios).

- Acusação: Artigo 324 do CPM (inobservância de lei, regulamento ou instrução)
- Réus: sargento Renan Severo Berleze, sargento Sérgio Roberto Oliveira de Andrades, soldado Marcos Vinícius Lopes Bastide, sodado Gilson Martins Dias e soldado Vagner Guimarães Coelho.

Na Justiça Militar, oito bombeiros respondem por condutas com inserir declaração falsa em documento público e conduta negligente. Desde agosto, foram ouvidas 18 das 19 testemunhas de acusação – uma apresentou atestado médico e o depoimento foi remarcado para a primeira semana de março. Após essa fase, abrem-se os prazos para a defesa indicar as suas testemunhas. O processo ainda terá de passar por outras etapas antes do julgamento, que não deve ocorrer antes do segundo semestre, de acordo com o Tribunal de Justiça Militar.

Esfera cível

- Acusação: Artigo 324 do CPM (inobservância de lei, regulamento ou instrução)
- Réus: coronel Altair de Freitas Cunha, o tenente-coronel Moisés da Silva Fuchs, major da reserva Daniel da Silva Adriano e capitão Alex da Rocha Camillo.

Quatro bombeiros também respondem na esfera cível por improbidade administrativa, em ação civil pública ajuizada pelo MP em julho. Atualmente, o processo aguarda a resposta do Estado do Rio Grande do Sul, para que manifeste ou não o interesse em participar. No entendimento do juiz responsável, os atos eventualmente praticados pelos servidores públicos terão desdobramentos para o Estado, que já responde a ação indenizatória movida pela família das vítimas e sobreviventes da tragédia.

Fonte: G1
Estocolmo, na Suécia, decidiu acabar de vez com a possibilidade de ser sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

Em votação entre os partidos políticos na semana passada, com apoio até do prefeito da cidade, os suecos optaram por não se candidatar à disputa para receber o evento.

Os argumentos? A cidade tem prioridades mais importantes, a conta para organizar os jogos seria alta demais e um eventual prejuízo teria de ser coberto com dinheiro público.

Para os partidos, aceitar os jogos seriam “especular com o dinheiro do contribuinte”. O primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt também se mostrou contra.

"Não posso recomendar à Assembleia Municipal que dê prioridade à realização de um evento olímpico. Temos outras necessidades, como a construção de mais moradias", disse o prefeito Sten Nordin, em declarações publicadas pelo jornal Dagens Nyheter e reproduzidas pela BBC.

No jornal Dagens Nyheter, o secretário municipal de Meio Ambiente de Estocolmo, Per Ankersjö, escreveu um artigo defendendo a decisão.

“Os cidadãos que pagam impostos exigem de seus políticos mais do que previsões otimistas e boas intuições [sobre o orçamento]. Não é possível conciliar um projeto de sediar os Jogos Olímpicos com as prioridades de Estocolmo em termos de habitação, desenvolvimento e providência social", disse.

A cidade tinha apresentado seu plano em novembro de 2013. Em fevereiro, a cidade russa de Sochi receberá os jogos desse ano. Os de 2018 serão em Pyeongchang, na Coreia do Sul.

Fonte: Exame
Concurso público é a opção escolhida por milhares de pessoas que estão em busca de segurança e bom salário. Depois de tantas colunas sobre o tema, reuni os tópicos mais importantes para auxiliar na sua trajetória até a vaga.

Abaixo estão 100 dicas, divididas entre os temas projeto (1 a 12), organização (13 a 32), estudo (33 a 63), direito (64 e 65), matemática (66), edital (67 a 73), véspera de prova (74 a 78), prova (79 a 87), pós-prova (88 a 95), além de dicas gerais (96 a 100).

Projeto

1 – Escolha uma área de concurso – para isso, observe o tipo de atividade, e não só o salário, porque aquele será o seu trabalho.

2 – Imagine que está começando uma faculdade: você vai precisar de tempo para aulas, para estudo e algum dinheiro para o projeto.

3 – É preciso uma preparação séria e consistente.

4 – A aprovação não é imediata, mas o emprego conquistado será para o resto da vida.

5 – É preciso conduzir a preparação com equilíbrio, porque não é uma corrida de velocidade – assemelha-se mais a uma maratona.

6 – Nunca sabemos exatamente quando será publicado o edital.

7 – Em geral, o tempo entre o edital e a prova não passa muito de 2 meses;

8 – Estude antes de o edital sair; só assim é possível ver todo o conteúdo.

9 – Mantenha-se bem informado sobre concursos e como se preparar.

10 – Se acontecer algum problema no seu concurso (adiamento, cancelamento), siga estudando para outras oportunidades.

11 – Mas mantenha o foco na mesma área – atirar para todos os lados é uma boa forma de não ser aprovado.

12 – Não se preocupe com a relação candidato/vaga: a maioria dos inscritos não estudou e está apenas tentando a sorte.

Organização e preparação

13 – Organize a sua rotina.

14 – Não há número certo de horas para estudar – o tempo de estudo vai depender da sua rotina e obrigações.

15 – É preciso estudar além das aulas, para sedimentar o conhecimento.

16 – Faça um planejamento de horários e matérias.

17 – Comece com pouco tempo e aumente aos poucos, como um atleta.

18 – Reserve um dia por semana (pelo menos parte de um dia) para descanso e lazer.

19 – Faça pausas de 15 minutos a cada hora e meia ou 2 horas de estudo.

20 – Se puder estudar o dia todo, faça intervalos de 1h30 a 2 horas entre os turnos de manhã/tarde e tarde/noite.

21 – Estabeleça hora para começar e para terminar o estudo.

22 – Peça às pessoas próximas para não interromperem o seu horário de estudo.

23 – Durma pelo menos 6 horas por noite: é quando o cérebro memoriza os conteúdos.

24 – Beba 2 litros de água por dia para melhorar o funcionamento do cérebro.

25 – Alimente-se a cada 3 horas: o cérebro consome energia para estudar.

26 – Faça uma caminhada 3 vezes por semana (pelo menos): oxigena o cérebro, produz neurotransmissores e reduz o estresse.

27 – Estude em bibliotecas: é silencioso e confortável.

28 – Faça um curso preparatório -presencial ou via internet -, porque facilita o entendimento das matérias e acelera a aprovação.

29 – Concentrar os dias de aula no sábado economiza tempo de deslocamento e libera tempo de estudo durante a semana.

30 – Aulas via internet permitem economia de tempo e dinheiro de deslocamento, além de poderem ser assistidas em qualquer horário.

31 – Mas, é preciso um perfil específico para estudar sozinho pela internet (disciplina e determinação para lidar com as dificuldades) – alguns alunos precisam de cursos presenciais.

32 – Cuidado com as redes sociais – engolem o seu tempo de estudo.

Estudo

33 – Comece pelas matérias básicas da área escolhida.

34 – Estude todo o grupo de matérias de forma paralela.

35 – Estude as piores matérias nos horários do dia e da semana em que você rende mais.

36 – Alterne matérias de exatas, se houver, com matérias de leitura – usam áreas diferentes do cérebro.

37 – Você vai estudar matérias que nunca viu antes – não se preocupe com isso.

38 – Volte a cada matéria no máximo a cada 2 semanas, para não esquecer o que já estudou.

39 – Tenha um bom material de apoio para cada matéria (basta 1).

40 – O estudo precisa ser dinâmico para você manter a concentração.

41 – Se estiver só “virando as folhas do livro”, pare, porque algo está errado: estudo é tempo retornando como aprendizado.

42 – Leia a teoria e em seguida faça exercícios com consulta – facilitam o entendimento e ajudam a fixar.

43 – No início, parece que estudamos e não aprendemos – é natural; o conhecimento precisa de muitas repetições para ser assimilado.

44 – Sublinhe as informações mais importantes.

45 – Prepare fichas-resumo para revisões posteriores.

46 – Quando estudar toda a teoria, faça provas de concursos similares que já aconteceram, para testar seu conhecimento.

47 – A partir disso, observe se precisa aprofundar o estudo da teoria ou estudar novos tópicos.

48 – Todo mundo tem uma ou mais disciplinas muito difíceis; é somente uma questão de mais dedicação e perseverança.

49 – Use feriados ou separe uma semana de vez em quando para estudar só uma matéria que esteja muito difícil.

50 – Quando concluir o estudo das matérias básicas, coloque-as em “manutenção”: revisões a partir do material que você preparou e provas de concursos anteriores.

51 – As matérias que estão em manutenção podem ter o tempo de estudo reduzido, para você incluir as específicas no planejamento.

52 – Matérias básicas ficam no planejamento até a aprovação.

53 – Matérias que caem em muitos editais da área, mas não em todos, podem ficar no planejamento, ao menos a cada 2 semanas.

54 – Matérias específicas de um edital (legislação do órgão, por exemplo), entram no planejamento quando o edital estiver para ser publicado e saem após a prova.

55 – Se possível, reserve férias no trabalho para quando sair um bom edital (mas só use quando tiver chances reais de ser aprovado).

56 – O planejamento é uma meta a ser seguida, mas intercorrências acontecem, porque a vida é dinâmica.

57 – Todo final de mês, examine o planejamento e faça os ajustes necessários para o mês seguinte.

58 – Se observar que há algum período em que o estudo não rende, procure as causas e corrija; se necessário, altere o planejamento.

59 – Se observar que já tem condições de estudar durante mais tempo, altere o horário no planejamento.

60 – Se perceber que planejou estudar mais tempo do que consegue na verdade, reduza os períodos de estudo no seu quadro de horários.

61 – É natural acontecerem períodos com menor rendimento, em especial quando enfrentamos problemas; mesmo assim, é importante seguir estudando.

62 – Gravar aulas e ficar ouvindo ocupa muito tempo em relação ao conteúdo que é assimilado (vale se estiver no transporte, por exemplo).

63 – Passar matéria a limpo toma muito tempo e também não significa aprendizado.

Direito

64 – Faça anotações a lápis nas leis, para conjugar teoria e texto legal.

65 – Leia periodicamente as leis mais importantes para se familiarizar.

Matemática e afins

66 – Faça centenas de exercícios para ganhar velocidade, necessária na hora da prova.

Edital

67 – Leia o edital atentamente, para saber se interessa e se você preenche os requisitos.

68 – O edital pode trazer surpresas: incluir e/ou excluir matérias/tópicos – verifique item a item do conteúdo programático e ajuste o estudo.

69 – Faça um novo quadro de horários, com todos os dias do edital até a prova, e distribua as matérias.

70 – Reserve mais tempo para as disciplinas que valerão mais pontos na prova e para aquelas em que você tiver mais dificuldade.

71 – Reserve duas semanas antes da prova para revisar todo o conteúdo (pelo material que você preparou).

72 – Faça provas recentes da mesma banca, para conhecer o estilo de questões e assuntos preferidos.

73 – Na última semana, estabeleça uma estratégia de prova – qual a ordem de matérias e o tempo máximo a ser gasto em cada uma.

Véspera de prova

74 – Descanse o cérebro 24 horas antes da prova – ele vai ser muito exigido.

75 – Uma caminhada leve é bastante indicada.

76 – Procure ter um dia agradável e distraia a mente.

77 – Separe o material necessário (veja no edital o que levar) e um kit emergência: água, algo para comer, analgésico.

78 – Veja com antecedência o endereço e como chegar.

Prova

79 – Vá com roupa confortável e versátil (que possa se ajustar a frio ou calor).

80 – Chegue cedo ao local.

81 – Ocupe a mente com pensamentos positivos e motivadores.

82 – Lembre que os primeiros minutos são de muita tensão: respire profundamente para se tranquilizar.

83 – Se possível, escolha um bom lugar na sala da prova (veja onde bate sol, onde é mais fresco, longe da entrada (ruído de candidatos saindo para banheiro e quando acabarem a prova).

84 – Não gaste tempo com questões que não sabe responder: faça primeiro todas as que sabe e no final, se sobrar tempo, dedique às mais difíceis.

85 – Não fique revisando o que tiver marcado com certeza – é comum o candidato ficar confuso e apagar o que estava certo.

86 – Reserve tempo suficiente para o cartão-resposta (em torno de 30 minutos).

87 – Marque uma questão por vez no cartão.

Pós-prova

88 – Depois da prova, analise o resultado; se não tiver sido bem sucedido, descubra as causas.

89 – Se faltou tempo de estudo e não tinha visto todo o conteúdo, siga estudando.

90 – Se errou coisas que sabia, por falta de atenção, faça mais questões de provas anteriores.

91 – Se esqueceu informações por nervosismo, inclua atividade física na sua preparação – em especial na proximidade da prova – e cuide do sono e da alimentação.

92 – Lembre que ser reprovado faz parte da brincadeira e sempre haverá uma nova oportunidade.

93 – Concurso público é fila; se você parar de estudar, perde o seu lugar e vai ter de começar tudo outra vez.

94 – Quando se sentir muito cansado de lutar, imagine sua vida daqui a alguns anos se desistir; se seguir, será aprovado.

95 – Estude até tomar posse, mesmo depois de aprovado (porque podem demorar a chamar).

Gerais

96 – Não lamente o tempo que você não tem porque precisa trabalhar (quem está desempregado fica muito pressionado).

97 – Não se desespere porque está desempregado; aproveite o tempo para estudar e mudar a situação.

98 – Busque a cumplicidade das pessoas próximas, mas não dependa disso – o projeto é seu e o salário também será.

99 – A cobrança de família e amigos é praticamente inevitável – eles sofrem com a sua ausência e não compreendem bem o projeto.

100 – Lembre-se de manter seus contatos atualizados junto à instituição para onde você for aprovado, porque você pode ser chamado até 4 anos depois de homologado o concurso.

Para concluir, queremos lembrar que todo candidato enfrenta dificuldades durante a trajetória. A diferença entre os que conquistam a vaga e os que não conseguem é simplesmente seguir estudando.
A primeira fase do XII Exame de Ordem Unificado da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB-SP) reprovou 83,36% dos candidatos. Dos 25.661 inscritos na prova no Estado, apenas 4.268 foram aprovados, um índice de 16,63%.

Os três municípios com melhor desempenho foram Franca (26,64%), São Carlos (22,29%) e Ribeirão Preto (19,59%). A cidade de São Paulo aparece em 5º lugar, com 18,13% de aprovação.

Já Jundiaí apresentou o pior aproveitamento, seguido de Espírito Santo do Pinhal e Itapetininga, com índices de 11,46%, 12,50% e 12,57%, respectivamente.

O Presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, disse, em nota, que o índice é preocupante. “O resultado recente do Exame do Cremesp (Conselho Regional de Medicina) reprovou 59% dos recém-formados nas escolas de Medicina. A reprovação dos bacharéis em Direito foi mais alta, superando a faixa dos 80% e reforça a necessidade da manutenção do Exame.”

Segunda fase. Os aprovados para a próxima etapa farão a prova da segunda etapa no dia 9 de fevereiro, das 13h às 18h, horário de Brasília. Nas cidades onde houver menos de 40 candidatos, os bacharéis prestarão a segunda fase do exame em outra sede regional  - segunda ou terceira opção que fizeram no ato da inscrição.

Veja a tabela com desempenho por cidade na primeira fase:



Município da Prova
Número de Candidatos
Habilitados na 1ª Fase
Índice de Aprovação
Adamantina
142
19
13,38%
Americana
375
51
13,60%
Araçatuba
447
79
17,67%
Araraquara
203
30
14,78%
Assis
127
16
12,60%
Avaré
177
21
11,86%
Barretos
213
35
16,43%
Bauru
480
71
14,79%
Bragana Paulista
293
37
12,63%
Campinas
1478
241
16,31%
Esp. Sto Pinhal
88
11
12,50%
Franca
244
65
26,64%
Guarulhos
864
136
15,74%
Itapetininga
167
21
12,57%
Jau
97
17
17,53%
Jundiaí
480
55
11,46%
Marília
325
45
13,85%
Mogi das Cruzes
717
119
16,60%
Osasco
1644
209
12,71%
Ourinhos
182
30
16,48%
Piracicaba
393
66
16,79%
Pres. Prudente
472
79
16,74%
Ribeir‹o Preto
888
174
19,59%
Santos
1010
176
17,43%
S B do Campo / S Caetano do Sul
1675
239
14,27%
São Carlos
157
35
22,29%
S J Boa Vista
194
29
14,95%
S J Rio Preto
742
138
18,60%
S J Campos
588
97
16,50%
São Paulo
9289
1684
18,13%
Sorocaba
758
122
16,09%
Taubaté
484
78
16,12%
Votuporanga
268
43
16,04%




Total
25661
4268
16,63%