89% dos brasileiros são favoráveis ao Exame de Ordem, diz pesquisa do Datafolha

Postado por: Editor NJ \ 29 de julho de 2015 \ 2 comentários

Uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha aponta que 89% dos brasileiros são favoráveis ao Exame de Ordem para habilitação profissional como advogado. Contratado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o levantamento ouviu 2.125, que responderam à seguinte pergunta: “Para que um formado em direito possa ser advogado, é preciso que ele passe por uma prova. Somente se aprovado ele pode exercer a profissão. Você é a favor ou contra este tipo de exame?”.

Do total de entrevistados, 9% afirmou não concordar com o exame, e 3% declarou não ter opinião sobre o assunto. Entre os que declararam ter alguma preferência partidária, os simpatizantes do PMDB são os que mais defendem o Exame da OAB: 93% deles apoiam a prova. Em seguida, vêm os partidários do PSDB (92% de aprovação) e do PT (88% de aprovação).

A maciça aprovação da medida pelos partidários do PMDB contraria a posição de um dos principais líderes da agremiação, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, em 2013, apresentou à Casa um projeto que previa a extinção do Exame de Ordem. Além de se mostrarem favoráveis ao exame da OAB, 94% dos consultados também declarou ser favorável a adoção de exames para que médicos e engenheiros possam exercer suas profissões.

O presidente do Conselho Federal da OAB Marcus Vinicius Furtado Coêlho comemorou o resultado da pesquisa. De acordo com ele, ao exigir um exame para o exercício da advocacia, a entidade segue uma prática aplicada pela Administração Pública para garantir a qualidade dos profissionais. “A constituição da República, ao assegurar a liberdade de exercício profissional, é taxativa ao prever que a lei pode exigir a demonstração de qualificação técnica mínima. Busca-se evitar que profissionais possam gerar prejuízo irreparável a terceiros. Os bens, os direitos e a liberdade das pessoas devem ser defendidos por quem tem um mínimo de conhecimento jurídico”, argumentou o mandatário da entidade.

Com informações da Gazeta do Advogado

categoria: , , ,

2 comentários:

  1. Fazer pesquisa com pergunta de duplo sentido é mole! Bem que a pergunta poderia ser: “Para que um formado em direito possa ser advogado, é preciso que ele passe por uma prova. Somente se aprovado ele pode exercer a profissão. Você é a favor ou contra este tipo de exame que cobra assuntos que não constam no edital e elabora perguntas para que o candidato erre (pegadinhas) além dos vários erros de correção na segunda fase?”. Será que o resultado seria o mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Daí Tia@go RTS o problema não é ter um exame, mas sima forma como ele é cobrado. Com certeza deveriam atacar a forma como o exame é elaborado e as questões se realmente têm relevância para um bacharél em direito conseguir exercer a advocacia. Essa já seria uma boa questão a ser debatida perante a ordem. A elaboração das provas, o fato de muitas questões que ali se encontram serem despiciendas e desarrazoadas. Não, simplesmente, eliminar tal exame. O problema mesmo está no ensino jurídico. As pessoas que se formam nos nossos dias estão com um grande problema que se chama analfabetismo funcional. É só pesquisar e verá que é verdade. Acabem com os cursos de direito nesse país e deixam apenas os que a OAB recomenda.

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.