Juiz deixa toga e salário de R$ 24 mil para sair em busca da profissão ideal

Postado por: Editor NJ \ 30 de setembro de 2015 \ 9 comentários

Um fato inusitado aconteceu em Aragarças-GO, divisa com Barra do Garças: um juiz de 30 anos de idade que está há um ano no judiciário pediu exoneração e informou que está à procura da profissão ideal. Raul Batista Leite, que assumiu em outubro a comarca aragarcense, surpreendeu a todos ao anunciar no início do mês a sua decisão de abandonar a magistratura.

Com salário de R$ 24 mil, Raul dá adeus a uma profissão cobiçada por muitas pessoas e comentou com alguns amigos que não se identificou com a função de juiz.

Por telefone, ex-juiz que se formou em Goiânia-GO, disse que vai continuar participando de concursos públicos à procura de outra carreira. E participar de concursos públicos realmente é o forte de Raul. Antes de ser juiz, ele passou no concurso público para promotor e policial federal.

“Eu vou continuar participando de concursos”, salientou. Raul, citando que gostaria de ser professor universitário. Perguntado sobre a questão financeira, porque um professor no nível máximo (com doutorado) ganha R$ 10 mil, bem abaixo do que ele ganhava, o ex-juiz disse que dinheiro não é tudo e que a pessoa precisa se sentir bem na função.

O salário de um magistrado em Goiás gira em torno de R$ 18 mil, mais adicional pelo Eleitoral, totalizando R$ 25 mil por mês. Com o pedido de exoneração de Raul, a comarca aragarcense está sendo dirigida provisoriamente por Flávia Morais Nogato de Araújo Almeida, titular de Piranhas.

Aguarda-se a nomeação de outro magistrado para Aragarças por parte do Tribunal de Justiça de Goiás.

Com informações de Olhar Direito

categoria: ,

9 comentários:

  1. Corajoso... Boa sorte, espero que encontre o que o satisfaça.

    ResponderExcluir
  2. Evidente que nos dias atuais muitos buscam segurança financeira, porém, temos que admitir que passar uma boa parte de sua vida, fazendo o que não gosta, o deixaria infeliz. Como teve competência para se tornar juiz, acredito que também conseguirá êxito em seu próximo desafio. Boa Sorte na sua nova empreitada! Netto Lopes

    ResponderExcluir
  3. Atitude nobre. faço votos que ele encontre a carreira que melhor se identifique e fazendo o que gosta, buscando sua realização profissional.

    ResponderExcluir
  4. QUANDO FICAMOS À PAR DO COMPORTAMENTO DE ALGUNS JUÍZES E TENDO QUE CONVIVER NESTE MEIO, SE TORNA ATÉ PLAUSÍVEL A ATITUDE DESTE JUIZ.

    ResponderExcluir
  5. QUANTOS APADRINHADOS ESTÃO POR AI.....SEM NENHUMA VOCAÇÃO, GANHANDO BEM E PRESTANDO UM SERVIÇO DE BAIXO NÍVEL.

    ResponderExcluir
  6. Atitude nobre, que deveria ser copiada por parte de muitos que também estão infelizes com a profissão mas insistem em permanecer fazendo o que não gostam, por medo ou por conveniência.

    ResponderExcluir
  7. Atitude nobre, que deveria ser copiada por parte de muitos que também estão infelizes com a profissão mas insistem em permanecer fazendo o que não gostam, por medo ou por conveniência.

    ResponderExcluir
  8. Ainda existe Homem/Mulher de verdade q é aquilo q o faz feliz e não tem o dinheiro como Regente. Parabéns ao excelentíssimo Ser Humano.

    ResponderExcluir
  9. Ainda existe Homem/Mulher de verdade q é aquilo q o faz feliz e não tem o dinheiro como Regente. Parabéns ao excelentíssimo Ser Humano.

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.