Comerciante que agrediu segurança em MG tem liminar negada pelo STJ

Postado por: Editor NJ \ 11 de janeiro de 2017 \ 4 comentários

O comerciante Luiz Felipe Neder Silva, preso em dezembro de 2016 sob a acusação de agredir a segurança de um clube e outras duas pessoas, entre elas a esposa, em Três Corações (MG), teve o pedido de liminar para responder ao processo em liberdade negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A informação foi publicada pelo órgão nesta terça-feira (10).
No dia 17 de dezembro, Silva, de 34 anos, foi detido em flagrante após agredir com soco e chute Edvânia Nayara Ferreira Rezende, de 23 anos, que trabalhava como segurança de um clube de Três Corações. As agressões começaram depois que Edvânia interveio na briga do comerciante com a esposa, a delegada Ana Paula Kich Gontijo, de 44 anos, que também sofreu agressões físicas por parte dele. Silva ainda teria quebrado dois dentes de um frequentador do clube e ameaçado outras pessoas com um canivete.
O homem teve a prisão preventiva decretada em 18 de dezembro e foi indiciado por lesão corporal gravíssima, ameaça e lesão corporal leve no dia 29 de dezembro, quando a Polícia Civil concluiu o inquérito sobre o caso.

Segundo o STJ, na tentativa de que o comerciante responda ao processo em liberdade, a defesa alegou o ato praticado possui “menor potencial ofensivo”, havendo “interpretação equivocada do tema” pelo juiz que determinou a prisão. A defesa ainda firmou que Silva é réu primário, possui “excelentes” antecedentes, que não há fatos concretos e atuais que justifiquem a custódia cautelar e que um pedido anterior de liminar teria sido negado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) “sem a devida fundamentação”.

Para a ministra Laurita Vaz, que assinou a decisão do STJ, disse que o órgão não poderia se sobrepor a uma decisão de 1ª instância, de liminar a um pedido de habeas corpus, uma vez que o mérito do pedido de habeas corpus em si ainda não foi analisado. A ministra ainda observou que a negativa de liminar por parte do TJMG foi fundamentada.
Na decisão, Laurita Vaz diz a liminar foi negada em 1ª instância com base no "somatório dos delitos cometidos, que constituíram 'atentados à ordem pública', na forma como foram praticados e nos procedimentos criminais instaurados anteriormente contra o paciente (por tentativa de homicídio, posse irregular de arma de fogo, tráfico de drogas e lesões corporais)."

Com informações de G1

categoria:

4 comentários:

  1. E, a esposa, Delegada de Policia, deveria ser punida administrativa mente ou até ser desonerada por dar guarida a este marginal, poderia e deveria na condição de Delegada ter dado voz de prisão no momento das agressões.

    ResponderExcluir
  2. Porque lesão corporal gravíssima? ela perdeu um braço, algum sentido, sofreu alguma deformidade ou doença incurável?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem a ver com o cara que perdeu os dentes, não?

      Excluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.