Juíza proíbe advogado de beber água em audiência

Postado em 13 de abril de 2019 \ 4 comentários

Uma juíza proibiu um advogado de beber água durante audiência na vara do Júri de Guarulhos/SP. De acordo com o relato que viralizou nas redes sociais, a magistrada teria argumentado que o advogado não poderia beber das garrafas que estavam disponíveis na bancada sob o argumento de que elas eram somente para os membros do Tribunal.

O relato já tem mais de 11 mil compartilhamentos e foi feito pelo sócio do advogado de defesa, que sofreu a proibição. No post, ele afirma que a juíza teria interrompido a sustentação oral do advogado de acusação para dizer que o causídico não poderia beber daquela água. Pelo relato, a magistrada justificou que a água era só para quem estava trabalhando, pois não tinham verba para comprar e que, por isso, não podia dar água ao advogado.

Diante da proibição, o advogado que sustentava oralmente também se posicionou dizendo que o ato da juíza afrontava a dignidade da advocacia. Pelo relato, a juíza teria, posteriormente, afirmado que a questão teria ficado pessoal, se levantando e apanhando três garrafas, deixando-as à disposição dos advogados. "Mas infelizmente, já havíamos perdido a sede, e com ela perdido a fé na Justiça e pior perdido a fé no ser humano", afirmou o sócio do advogado.

t


Pedido de desculpas

No dia seguinte à confusão, o advogado que sofreu a proibição se manifestou em suas redes socias. No post, disse que a magistrada “deve ter percebido sua indelicadeza” e pediu desculpas a ele mais de uma vez.

O advogado afirmou que todos podem falhar profissionalmente e pediu que as pessoas desculpem a juíza, assim como ele a desculpou.

"Confesso que naquela oportunidade, mesmo ouvindo as desculpas da Magistrada estava com meu coração aflito e apertado, mas como tenho consciência que podemos falhar como profissionais, inclusive como seres humanos, me calei e relevei."


t

categoria:

4 comentários:

  1. Eu teria dito sem pestanejar, Sra Dotora a falta de verbas no Ministério Público e no Judiciário não é causada por bebermos simples garrafas de água.
    A falta de verbas é causada por vantagens indevidas e imorais existentes, como exemplo, cito:
    Auxílio moradia,
    Ajuda para atualização,
    Auxílio plano de saúde equivalente a 10% do salário bruto,
    Auxílio cafezinho,
    Além do recesso no final do ano, mais 2 férias, sendo que uma pode ser transformada em dinheiro,
    Férias prêmios de 03 meses a cada 5 anos trabalhado,
    Recebimentos de salários acima do Teto constitucional,
    Aposentadorias com salário integral, etc e etc.

    Não é a garrafinha de água a causa da falta de verbas e sim as vantagens indevidas e imorais.

    ResponderExcluir
  2. A única coisa que consegui prestar a atenção foi como é possível fazer uma crítica utilizando delicadeza
    Muito interessante a construção do texto e apropriado para júri
    Tem essência

    ResponderExcluir
  3. Não importa para que cargo, pode um concurso público permitir que seja aprovado um ser humano capaz de negar água a um semelhante?!

    Funcionário público, de toda e qualquer origem e ocupação, tem que ser exemplo da melhor prática da Cidadania!

    ResponderExcluir

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.