Ex-presidente do Peru citado em delação da 'lava jato' comete suicídio

Postado em 18 de abril de 2019 \ 0 comentários

O ex-presidente do Peru Alan García se matou na quarta-feira (17/4) depois de receber ordem de prisão em sua casa, no bairro Miraflores, em Lima. Ele era acusado de corrupção em caso envolvendo a empresa brasileira Odebrecht. 

García foi colocado no meio das investigações após delação premiada do advogado brasileiro José Américo Spinola, que afirmou ter pago US$ 100 mil a ex-presidente peruano a pedido da Odebrecht. O político, por sua vez, afirmava que recebeu o dinheiro como pagamento de uma palestra feita na Fiesp, em São Paulo.

García deu um tiro na cabeça e foi levado ao hospital ainda com vida, mas sofreu três paradas cardíacas e morreu no fim da manhã.

Mãos limpas 

Um suicídio marcou o ponto de virada na percepção pública da operação mãos limpas na Itália, caso que inspirou os métodos de ação de "lava jato". O deputado Sergio Moroni se matou em 1992 e enviou uma carta ao então presidente da Câmara dos Deputados, Giorgio Napolitano, afirmando que nunca se beneficiou do que era acusado. 

Moroni disse esperar que o seu gesto pudesse impedir que outros passassem pelo “sofrimento moral” que o afetou, e que ajudasse a pôr fim “aos processos sumários. 

Ao todo foram mais de dez suicídios de acusados na operação mãos limpas. A onda de pessoas tirando a vida fez a opinião pública passar a ver de forma negativa a onda persecutória que atravessou a Itália. 

Caso do reitor 

No Brasil, a moda do denuncismo também fez uma vítima nos anos recentes. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, suicidou-se em outubro de 2017 após ser acusado de atrapalhar as investigações da Corregedoria da UFSC sobre suposto desvio de R$ 80 milhões que seriam usados em cursos de Educação a Distância (EaD) da universidade.

Por causa das suspeitas, ele e outras seis pessoas foram presas em setembro daquele ano. Sua prisão foi decretada pela juíza Janaina Cassol Machado, da 1ª Vara Criminal da Justiça Federal em Florianópolis.

A investigação se notabilizou pelo excesso de insinuações e pela escassez de provas. A Polícia Federal disse inicialmente que apurava um desvio de R$ 80 milhões. Mais tarde, admitiu que este valor era o total de verbas que a universidade havia recebido em dez anos.

Fonte: Conjur

categoria:

0 comentários

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.