Correntista barrado por tentar entrar descalço em banco será indenizado

Postado em 3 de maio de 2019 \ 0 comentários

O juiz Alexandre Morais da Rosa, do JEC do Norte da Ilha/SC, condenou o Banco do Brasil a pagar R$ 10 mil de danos morais a cliente que foi impedido de entrar na agência descalço. O magistrado enfatizou que “ninguém é obrigado a usar calçados” e que o correntista sofreu incômodo e constrangimento.

O homem, na verdade, não tinha conseguido acessar o estabelecimento por causa de seu sapato que continha metal em sua estrutura. Como necessitava efetuar transação bancária com urgência, o cliente dispôs-se a retirar o calçado e, de pés descalços, ingressar na agência para resolver sua situação. A proposta, entretanto, foi rechaçada pelos seguranças do banco, que continuaram a negar sua entrada no ambiente.

Ao analisar o caso, o juiz concluiu que o homem sofreu incômodos e constrangimentos que ultrapassaram os meros dissabores do cotidiano, “tendo sido vítima de um preciosismo discriminatório e ilegal do banco requerido, que se recusou a solucionar o problema”.

“Ora, ninguém é obrigado a usar calçados, não sendo ilegal andar descalços ,ainda mais quando existe uma justificativa concreta para tanto, qual seja, o autor estava no seu horário de almoço, e queria depositar ou descontar um cheque no banco, e não podia se dar ao luxo de ir em casa se arrumar melhor, com um calçado bonito, para fazer isso (...) O autor não foi visitar ninguém na agência, tomar chá ou cafezinho, mas foi realizar uma operação necessária para a sua economia doméstica, e enfrentou a situação ridícula defendida pelo banco requerido.”

Assim, condenou o banco a pagar indenização por danos morais, fixada em R$ 10 mil.

Fonte: Migalhas

categoria:

0 comentários

-------------------------------------------------------------------------
É um prazer receber seu comentário e ter sua participação.
Repasse a seus amigos e convide-os a opinar também.