Câmara aprova projeto que tipifica o crime de domínio de cidades, conhecido como 'novo cangaço'

Expressão tem sido usada para caracterizar ação de organizações criminosas fortemente armadas que cercam pequenas cidades para praticar assaltos. Texto agora vai para análise do Senado.

04/08/2022 12h26

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (3) um projeto que tipifica o crime de domínio de cidades, conhecido como o “novo cangaço”. A proposta segue agora para análise do Senado.

A expressão “novo cangaço” tem sido utilizada para caracterizar a ação de organizações criminosas fortemente armadas que cercam pequenas cidades para praticar assaltos, geralmente a agências bancárias.

O projeto acrescenta um parágrafo ao Código Penal para definir o crime. De acordo com o texto, o "novo cangaço" consiste em bloquear vias ou prédios públicos, com o uso de armas, para evitar a aproximação das forças de segurança e com o objetivo de cometer um crime.

A proposta também inclui o crime de domínio de cidades entre os crimes hediondos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Pela legislação, no caso de crimes hediondos, não é possível fiança, indulto ou anistia. A pena também precisa ser cumprida inicialmente em regime fechado.

Penas
A pena prevista na proposta varia de 15 a 30 anos e pode aumentar em um terço se o criminoso:

utilizar dispositivos explosivos e/ou capturar reféns para diminuir a chance de ação da polícia
investir contra as instalações físicas com destruição parcial ou total de prédios públicos e/ou privados
inabilitar total ou parcialmente as estruturas de transmissão de energia e/ou de telefonia
usar aeronaves ou outro equipamento com o objetivo de promover controle do espaço aéreo
praticar alguma das condutas descritas acima para permitir a fuga de cadeias
Se a ação levar alguém à morte, a pena pode chegar a 40 anos. Se houver lesão corporal grave, o piso de 15 anos sobe para 20 anos de reclusão.

Segundo a proposta, mesmo que não consumados, os atos preparatórios ao crime serão punidos com a pena correspondente ao delito praticado, diminuída de um quarto até um terço.

O projeto traz um dispositivo para excluir das condutas enquadradas no delito as manifestações políticas, religiosas, movimentos sociais, sindicais entre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Intimidação violenta
O projeto também tipifica o crime de intimidação violenta, sob pena de prisão de seis a 12 anos.

Pelo texto, to crime corresponde ao "ato de incêndio, depredação, saque, destruição ou explosão contra bens públicos ou privados, de acesso ou destinados aos serviços públicos, de forma a impedir ou embaraçar a atuação do poder público voltada para a prevenção ou repressão de crimes, a realização da execução penal ou a administração do sistema penitenciário".

Também poderá ser condenado por crime quem "impede ou perturba a circulação de pessoas, o exercício de atividades públicas ou laborais, o funcionamento de estabelecimentos comerciais, de ensino, hospitalares ou a prestação de serviços públicos, com o objetivo de controle de território para a prática de crimes".

A pena pode ser aumentada:

em um terço se a ação for coordenada ou motivada por preso, provisório ou condenado, ou líder de facção criminosa
de metade se o crime for cometido em conjunto com menor de 18 anos
em dois terços se a ação resultar lesão corporal de natureza grave
em dobro se a ação resultar em morte
Essas práticas não serão crimes se forem realizadas no "exercício da defesa de direitos, garantias e liberdades constitucionais".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Fonte: Migalhas

Anuncie na Nação Jurídica

Faça com que sua marca seja vista por toda a nossa Nação!