Vasco paga R$ 3 milhões a Edmundo, mas erra processo na Justiça e cria confusão com ídolo

O pagamento foi feito no processo errado, e, por isso, Edmundo não foi notificado de que havia recebido o montante acordado.

14/02/2020 20h54

O Vasco da Gama cometeu uma confusão daquelas ao tentar saldar uma dívida com o ex-atacante Edmundo.

Por conta de um processo movido em 2001 pelo “Animal”, o Cruzmaltino foi obrigado a pagar quase R$ 60 milhões ao ídolo, depois que o valor original da ação (R$ 14 milhões) foi corrigido.

No entanto, após a confecção de um acordo na Justiça do Trabalho, Edmundo abriu mão das correções monetárias e aceitou o pagamento de R$ 2.899.694,32 para encerrar de vez o caso.

Em dezembro de 2019, o Vasco alegou ter pago exatamente esse montante, aparentemente fechando de vez a história.

No entanto, em 6 de janeiro deste ano, Edmundo, que atualmente é comentarista do canal FOX Sports, afirmou ao vivo durante um programa que a diretoria vascaína estava mentindo ao alegar que havia quitado a dívida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Imediatamente, o clube da Colina reagiu e emitiu uma nota oficial garantindo que havia, sim, transferido os quase R$ 3 milhões ao “Animal” – a agremiação postou foto até mesmo da guia de pagamento para provar.

Além disso, o Vasco acusou o ex-jogador de estar “atacando” o time por motivações políticas, “ludibriando seus milhões de torcedores”.


Veja a nota publicada na ocasião:

"Nesta segunda-feira (06/01), o ex-jogador Edmundo Alves de Souza Neto mais uma vez usou o espaço que lhe é concedido pela FOX Sports para atacar o Club de Regatas Vasco da Gama e ludibriar seus milhões de torcedores. Reconhecidamente ligado a um grupo de oposição à Diretoria Administrativa do Clube, Edmundo escolheu o caminho da política rasteira ao se referir ao acordo feito com o Vasco na Justiça. A atual Diretoria tem feito enorme esforço para renegociar e quitar os passivos do Clube. Assim foi no caso do ex-atleta Edmundo – diga-se, o único entre todos os credores que penhoravam R$ 32 milhões dos cofres do Clube a não aceitar um desconto; a Diretoria cumpriu o seu dever, honrando o compromisso. Qualquer narrativa que desconsidere este fato carece de honestidade e boa fé. Por ser, inegavelmente, um dos maiores ídolos da história do Vasco e, sobretudo, por esta condição, Edmundo deveria ter um maior apreço à verdade ao se referir ao Clube. Tivesse qualquer dúvida, bastaria que o ex-jogador e agora formador de opinião pedisse ao seu advogado – que é, aliás, presidente de um clube rival [N.R.: o Vasco se refere a Mário Bittencourt, sócio do Bittencourt & Barbosa Advogados & Associados, que representa Edmundo] – para entrar em contato com o Vasco, antes de ir à televisão desrespeitar não apenas o torcedor vascaíno e a Instituição, mas os telespectadores da emissora para a qual trabalha".

A tréplica veio por meio do advogado de Edmundo, Luís Eduardo Barbosa, que assegurou que o “Animal” não havia sido notificado de qualquer pagamento, lamentando ainda a nota oficial vascaína.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

“Lamentável a postura do clube e de quem redigiu a nota oficial tentando denegrir a imagem de um ídolo que já abriu de altíssimo valor neste mesmo processo pelo amor que tem ao Vasco”, disse Barbosa, em trecho de comunicado. 

Mas, afinal, quem estava falando a verdade?


Até foi pago, mas...

O que acontece neste caso é que as duas partes têm (um pouco de) razão.

O Vasco, de fato, fez a transferência de dinheiro para Edmundo.

No entanto, o pagamento foi feito no processo errado, e, por isso, o “Animal” não foi notificado de que havia recebido o montante acordado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

A guia de pagamento, no caso, era referente a um outro processo movido por Edmundo contra o Vasco, que tramita na 30ª Vara da Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro.

A ação correta, porém, é a que está na 54ª Vara, e para qual o pagamento de R$ 2.899.694,32 deveria ter sido feito pelo Cruzmaltino.

A confusão foi registrada inclusive pela Justiça no processo, ao qual a ESPN teve acesso.

Em 2 de fevereiro, o advogado de Edmundo pediu ao magistrado da 30ª Vara para que transferisse o pagamento para a 54ª Vara, de forma que a dívida de 2001 fosse quitada, como pode ser visto abaixo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 


Foto: ESPN


Foto: ESPN


A reportagem procurou o Vasco na última quarta-feira e questionou o clube sobre quem era o responsável por pagar o processo errado: o clube, que teria se equivocado, ou a Justiça, que teria emitido uma guia trocada.

Além disso, a ESPN questionou o time carioca se a Justiça já havia notificado a agremiação e Edmundo que o caso foi “solucionado”.

Até a publicação desta matéria, porém, o Vasco não respondeu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Fonte: ESPN

Anuncie na Nação Jurídica

Faça com que sua marca seja vista por toda a nossa Nação!