Nem na prisão, nem morto: Erivelto formou-se em direito como ‘vingança’ por ser preso injustamente

03/02/2021 22h50

“Foi um momento de desespero total, eu não imaginava que eu estava ali cumprindo pena por algo que não fiz. Eu fiquei umas duas semanas sem comer, chorando, não parava de chorar […] se eu permanecesse naquele caminho, eu sabia que a minha vida seria prisão ou a morte”. Nem na prisão, nem morto: o carioca Erivelto Melchiades trilhou outros caminhos e, agora, vê horizontes.

Nascido e criado no Morro do Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o homem de 36 anos recusou-se a carregar o estereótipo de bandido após duas passagens pelo sistema prisional – uma delas por um crime que afirma não ter cometido -, e resolveu “vingar-se”. A vingança? Estudar. Ele estudou muito e formou-se em direito, para começar a escrever um novo capítulo da própria história.

Figura popular entre moradores da favela Cantagalo, Erivelto tem alcançado ainda mais pessoas depois de contar parte da vida – das prisões ao curso de direito -, em uma postagem no Facebook. Ele conversou com o BHAZ, hoje (31), sobre a trajetória e contou em detalhes como foi passar mais de dois anos na prisão.

‘Crime não compensa’
Erivelto tinha 19 anos quando foi preso pela primeira vez, por porte ilegal de arma, no Rio. Ele conta que, à época, não conseguia emprego e que passou a trabalhar nas ruas, guardando carros e em outras atividades. Mais tarde, já sem perspectiva, pensou que o crime compensava, mas não foi o que descobriu.

“Eu procurava emprego e pediam experiência, mas eu não tinha experiência. Comecei a tomar conta de carro na rua. Nesses momentos, sem perspectiva, a gente pensa que a vida bandida é algo que vale a pena, mas a gente sabe que na realidade não é nada disso”, explica. “Foi o momento em que eu caí na cadeia sem saber o que era, de fato, o sistema prisional. A cela tinha capacidade para 17 pessoas e tinham 122 lá. Eu fiquei 21 dias desesperado, sem poder me locomover diante da lotação, além da comida péssima e condições insalubres. Eu vi que o crime não compensava de forma alguma”, relembra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Erivelto passou pela primeira audiência do caso e recebeu liberdade provisória, já que estudava e tinha bom comportamento. Segundo conta, saiu da prisão decidido a mudar o rumo da vida. “Eu nunca mais queria me envolver com nada de errado. Saí e fui trabalhar como auxiliar de serviços gerais em uma escola da comunidade, retomei meus estudos”. Mas não seria a única vez na cadeia.

Preso de novo
O carioca levava a vida quando foi surpreendido em 2010, cinco anos depois da primeira prisão, com um telefonema para que fosse prestar esclarecimentos em uma delegacia. Ao chegar na unidade policial, foi informado de que seria preso novamente. Segundo conta, desta vez pagou por algo que não cometeu.

“Na delegacia, um policial disse que ‘a casa caiu’, mas fiquei pensando ‘que casa’, já que não tinha feito nada. Foi então que me informaram que existia um processo contra mim. A primeira informação era de que eu era procurado. Depois mudaram a tipificação para tentativa de roubo, mas não existia materialidade”, conta.

“Uma pessoa cansada de assaltos na região de Ipanema fez a denúncia e teria ido à delegacia na mesma data em que ocorreu o porte ilegal de arma, em 2005. Eu não assaltei ninguém, mas disseram ter me reconhecido na delegacia. A testemunha disse que, no assalto, tinham atirado na direção dele, e que eram dois assaltantes. A outra testemunha só sabia do assalto, nada sobre tiros. Mesmo com tantas dúvidas, eu apresentando atestado de trabalho, minha família, fui condenado”, diz.

“Foi um momento de desespero total, eu não conseguia imaginar que eu estava ali cumprindo pena por algo que não fiz. Eu fiquei umas duas semanas sem comer, chorando, não parava de chorar. Um detento me viu e foi conversar comigo, disse que o guarda não abriria a porta pra eu sair dali, que teria que viver como preso, como de fato era o sistema. Foi então que eu percebi que não existia ressocialização por meio do Estado”, explica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Complexo de Bangu
A pena atribuída a Erivelto começou com sete anos em regime fechado, mas diminuiu por conta do bom comportamento. Ele foi interno do Complexo Penitenciário de Gericinó e ficou dois anos e dois meses no presídio, também conhecido como Complexo de Bangu. Lá, viveu dias nada agradáveis e lembra violações cometidas contra os privados de liberdade.

“São diversas as violações do Estado, desde ligarem a água uma vez ao dia apenas, a mesma água para beber e tomar banho. Deixavam presos ‘torrando’ no sol, muitas pessoas algemadas juntas em uma mesma viatura, diziam ser igual coração de mãe, que sempre cabia mais um. Tudo sempre no deboche. As necessidades eram feitas em um buraco no chão”, relata.

Segundo Erivelto, o sistema prisional trabalha para que haja reincidência, ao passo em que o Estado desassiste populações sem acesso a trabalho e educação. “Na cadeia mais se aprende coisas ruins do que coisas boas, a chamada mente criminosa. Tem pessoas ali que, de fato, não mereciam estar. Não existe uma divisão, estão juntas pessoas que cometiam pequenos furtos a grandes traficantes. Se eu permanecesse naquele caminho, eu sabia que a minha vida seria prisão ou até mesmo a morte”.

Retomando a vida
Erivelto explica que ao sair da prisão, pela segunda vez, mantinha na cabeça a ideia de mudar de vida. E a melhor forma, segundo ele, era usar a “revolta apaixonante” que sentia ao ler um livro sobre leis, ainda na penitenciária, e estudar direito. Uma trajetória em busca do que ele considera uma “vingança”, permeada de lutas, conquistas e autoconhecimento. “Não uma vingança com morte, com sangue, mas vingança para mostrar que por mais que fizeram um injustiça comigo, eu não sou aquilo. É para verem onde eu estou. Nem todo mundo que está sentando no banco dos réus é culpado”, diz.

O caminho até o curso de direito foi árduo. “Eu não tinha segundo grau completo, comecei a estudar e terminei. Em 2013 fiz vestibular e fui aprovado. Não tive dúvida, era a faculdade que eu queria cursar. Me formei em 2019, passei na primeira fase da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], mas, com a pandemia, vou fazer a segunda fase no próximo exame”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Fonte: bhaz.com.br

Anuncie na Nação Jurídica

Faça com que sua marca seja vista por toda a nossa Nação!